Informação

A Gripe Espanhola

Esta pandemia, conhecida por Gripe Espanhola, matou mais de 20 milhões de pessoas.

Membros: 13
Última atividade: 5 Fev, 2014

A Gripe Espanhola

1918 - uma variação letal do "virus influenza" espalha-se por todos os continentes. Esta pandemia, conhecida por "gripe espanhola", dizimou mais de 20 milhões de pessoas.
Foi a mutação de um virus presente em aves que deu origem à pandemia mais devastadora da história da humanidade.
Sintomas:
- dores de cabeça insuportáveis
- ardor nos olhos
- arrepios de frio
- febre muito alta, que deixava as vítimas de cama.
O doente tossia e cuspia sangue, passava a sentir dificuldades respiratórias, os pés ficavam com uma coloração negra e a face em tons vermelhos arroxeados.
O sofrimento tanto durava horas como dias, até a pessoa morrer com os pulmões cheios de secreções avermelhadas.

É muito difícil de contabilizar o número de vítimas, uma vez que era dificil fazer / apresentar uma estatística de óbitos dessa época.


A epidemia começou por ser uma gripe comum, em Fevereiro de 1918.
Entretanto desapareceu, reaparecendo em Setembro, quando se tornou letal. uma das primeiras cidades a ser atingida pela gripe foi San Sebastian, em Espanha.
Daí advém o seu nome.
A doença rapidamente se alastrou a outros países e continentes.

Fórum de discussão

2009 - Gripe A

Iniciado por Cláudia Vieira Braz 14 Maio, 2009. 0 Respostas

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de A Gripe Espanhola para adicionar comentários!

Comentário de Rosineide de Melo Gama em 29 janeiro 2011 às 16:37

Olá, sou mestranda do curso de História da UFAM, minha dissertação é sobre a Gripe esapanhola em Manaus, defendo em Novembro de 2011. E estou feliz sabendo que não sou a única a perceber que esse tema pode ser historicizado. agradeço se de alguma forma poderem me ajudar!

Rosineide Gama

 

Membros (13)

 
 
 

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

Ditadura e D.Pedro 1: A ditadura Militar reabilitou D.Pedro I. É o que afirma a historiadora Janaína Cordeiro, que acaba de lançar o livro “A ditadura em tempos de milagre: comemorações, orgulho e consentimento”, pela FGV. Confira a entrevista com Cordeiro, acima.  

Cine História

Mapa para as estrelas

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o elogiado “Mapa para as estrelas”, de David Cronenberg (“Cosmópolis”, “Um Método Perigoso”), estrelado com Julianne Moore.

Sinopse: Agatha Weiss (Mia Wasikowska) acabou de chegar a Los Angeles e logo conhece Jerome Fontana (Robert Pattinson), um jovem motorista de limusine que sonha se tornar ator. Eles começam a sair juntos e flertar um com o outro, por mais que Agatha mantenha segredo sobre seu passado. Não demora muito para que ela comece a trabalhar para Havana Segrand (Julianne Moore), uma atriz decadente que está desesperada para conseguir o papel principal da refilmagem de um sucesso estrelado por sua mãe, décadas atrás. Paralelamente, o garoto Benjie Weiss (Evan Bird) enfrenta problemas ao lidar com seu novo colega de elenco, já que é a estrela principal de uma série de TV de relativo sucesso. Entretanto, como esteve internado recentemente, está sob a atenção especial de sua mãe (Olivia Williams) e dos produtores da série, que temem um escândalo.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Parceria: NIEJ-UFRJ

© 2015   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }