Sou completamente apaixonada pelos povos do antigo médio oriente, e, especialmente, pelos Hititas.
Mais alguém gost dests temas?

Exibições: 1458

Responder esta

Respostas a este tópico

Não sou tão apaixonado pelos Hititas, como você, mas talvez possamos trocar informações e comentários sobre eles.
abs
Hititas, Sumérios, Babilónios, Persas, Medos, Fenícios, Hebreus, Egípcios Todos me interessam.
Dos Hititas só mesmo o ferro. Acho que foram eles a inventar e usar em armas.
Será?
É na história da Mesopotâmia que se tem o primeiro conhecimento sobre os Hititas, descritos como um povo feroz que vivia além das montanhas do Tauro (na Anatólia, ou Ásia Menor), numa terra muito alta e rude, que os egípcios denominavam Kheta. Eles chamavam a si próprios de Khatti, mas para os semitas, que temiam suas períódicas e devastadoras incursões, eles eram bárbaros estrangeiros (goyyim), que a Bíblia refere com o nome de "heth". Entre os mesopotâmicos, que conheciam a Anatólia como "Mushki", eles eram os "mushkaya".

O primeiro registro histórico sobre eles reporta-se a uma invasão em terras babilônicas, no fim do reinado de Sansuditana (cerca de 1925 aC). Tudo indica que Babilônia foi tomada e seu rei foi morto. Quando os hititas se retiraram, levando consigo muitos despojos, a região ficou desolada, tal a ferocidade destrutiva dos invasores.

A data de 1925 a.C. parece-me demasiado antiga, o reino hitita só começa na segunda metade do século seguinte, e o rei babilónico Sansuditana é de cerca de 1625 a.C. (em vez de 1925 a. C.), tendo a ocupação e saque da Babilónia pelos hititas chefiados pelo rei Mursílis I ocorrido por volta de 1595 a.C. (alguns historiadores referem mais cedo, em 1531 a.C.). À retirada hitita seguiu-se a ascensão dos cassitas na Babilónia. Seja qual for a data correta (1595 ou 1531), Sansuditana foi o último rei da I dinastia babilónica, a que pertenceu Hamurábi.

Uma das partes que gosto mais da História do povo hitita é a descrição da Batalha de Kadesh, entre o Egipto de Ramsés II e Rei Hatusilli (hitita).
Ambos os povos se apresentaram como vitoriosos dessa guerra, mas a verdade é quie os hititas foram mais espertos!!!!
É verdade, Cláudia. Os hititas armaram uma arapuca para Ramsés II, que quase se "ferra" nessa batalha, por conta de sua impetuosidade imprudente. Mas Kadesh acabou sendo sua glória, haja vista a coragem com que ele e os que estavam ao seu lado resistiram ao cerco dos carros hititas, por tempo suficiente para a chegada do grosso das tropas egípcias, que havia ficado para trás. As paredes dos templos de Tebas se encheram com hinos evocadores de sua "vitória". A partir dessa batalha, os dois impérios passaram a se respeitar e Ramsés baixou o seu "fogo" (guerreiro), preferindo deixá-lo arder no leito de suas várias esposas (rsrsrs). Foi o faraó que (assim parece) gerou a maior quantidade de filhos.
Embora a escrita cuneiforme em tabuinhas de argila tenha penetrado entre os hititas (tudo indica que à época do rei Bogahaz Kyoi), ela foi empregada apenas para fins diplomáticos, como aconteceu também no Egito (vide as Tábuas de Tell el-Amarna). Para os demais fins, os hititas usavam sua escrita nacional hieroglífica, presente nas esculturas monumentais trazidas à luz pela Arqueologia.

Apesar de cercados por civilizações altamente evoluídas (da Grécia Minoana, do Egito e da Mesopotâmia), eles também preservaram sua religião nacional, cujo culto mais característico era o dedicado à deusa mãe, Ma, que guardava alguns traços semelhantes à mesopotâmica Isthar. Associado a esse culto havia o de Átis (ou Agsdisti), representado ora como varão, ora como hermafrodita. Ambos os cultos eram servidos por sacerdotes eunucos, os Galli, que viviam nas extensas propriedades dos templos.

Os reis mais aguerridos, gostavam de cultuar o primitivo deus da guerra, Teshub, elevando-o à condição de divindade suprema. Mas quando o poderío militar de Katthi declinou, ele recuou para um plano secundário do panteão hitita.
Já visitei com demorada atenção a Anatólia, dei uma volta quase completa á actual Turquia, e fiquei fascinado pelos registos Históricos e pré-históricos daquele território, onde entre outros viveram os Hititas que foram forçados para o Norte da península Itálica pela subida dos povos da babilónia, e segundo creio estiveram ligados ao berço do Império Romano.
Não sou Historiador, sou simplesmente amante de História, e tenho curiosidade por toda a História e não por nenhuma em Particular. Outra das minhas paixões é viajar e sempre que o faço junto as duas paixões e estudo a História do País que vou visitar e que visitei. Por exemplo neste ano visitei a antiga Jugoslávia estive na actual, Croácia, Bósnia, Eslovénia e Montenegro.
Tomei conhecimento do povo Hitita pela primeira vez no livro "O Egípcio" do escritor Mika Waltari. Era um exemplar velho jogado no lixo pela viuva de um deputado aqui do interior de Minas. Posteriormente, li muito sobre este povo porém as informações quase sempre são superficiais, retratando-os como guerreiros cruéis e que se impunham pela querra psicológica da tortura (principalmente). Gosto muito da historia dos povos antigos, notadamente dos anteriores aos gregos o que inclui os hititas. Confesso, porém que não são muitos os que compartilham este interesse e talvez seje devido a isso que não se tenha muitas obras que contemplem estes povos.
Essas civilizações nos ensinam que nada é eterno nesse mundo...que por maior o poderio tudo vira pó e cai no esquecimento, e na maior parte das vezes sem depender de grandes catastrofes naturais e sim por guerras e desorganização social e politica.Infelizmente damos muito pouca atenção a isso, chegando no Brasil ao cúmulo de dedicar duas ou três linhas em apostilas a povos que duraram milênios..realmente nós brasileiros , no alto de nossas vassouras, somos o cumulo da ignorância!!
Tambem sou apaixonado por historia antiga desde o inicio (biogenese)até a renacença.Se vc puder me disponibilizar materiais sobre este povo fico muito grato!!!!!

Estou lendo o livro "Os hititas e as antigas civilizações anatolianas" de Philippe Conrad. Ainda estou nas primeiras páginas, mas posso dizer que ele tem uma abordagem mais arqueológica dessa região da Idade Antiga.

RSS

Boletim Café História

Anúncio

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }