Que contribuição a fala da professora potiguar Amanda Gurgel deu para a discussão do quadro caótico no qual se encontra a educação no Brasil?

Em uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte, a professora Amanda Gurgel "roubou a cena". Fez um resumo da precariedade do Sistema de ensino do Brasil e calou a todos os parlamentares. Teriam eles ficado constrangidos? Lembrando que a categoria está em greve há quase um mês.

Exibições: 92

Responder esta

Respostas a este tópico

Buenas ora pois que a  bahianinha de nascimento se mostrou corajosa!!.

Claro que por um tempo a prosa dela para os deputados vai dar o que falar mas podem ter a mais absoluta certeza que os ilustres deputados estão tão certos que tudo vai continuar exatamanete como esta, principalmente pelo fato de a imensa maioria deles será reeleita graças aos votos de milhares de analfabetos funcionais que eles tão zelosamente  cultivam nas escolas.

Como dizia Mencken, só mesmo na base do porrete...

O discurso da professora Amanda foi corajoso, importante, em boa hora. Uma pena que não foi feito dentro do Senado. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande no Norte foi um palco muito modesto e tímido para esse tipo de verdade. Eu sugiro até a transmissão em horário nobre em todas as redes de televisão. Mas acho que é isso: o discurso da professora Amanda foi corajoso e estimulante. Não possui - infelizmente - efeito a médio e longo prazo. Nem poderia. Nenhum dicurso por si só muda a realidade. A professora fez a parte dela. E muito bem feita. Mas para termos transformações efetivas do triste quadro pintado pela professora, é preciso tomar ações coletivas e que pensem tais problemas em toda a sua complexidade. Abs!

Concordo Bruno.

No entanto, a fala da professora foi um desabafo, somente isso. Mudará algo? Não. Porque historicamente estamos acostumados com isso, aparecem as "Amandas",todos os dias em nossa rotina de trabalho (sou uma aliás)mas continuamos tento o mesmo tratamento. A educação é política no Brasil, e nunca está na prioridade de governo algum. Lembro um certo Maquiavelismo - Povo instruído, poder destruído. A Educação está ultimamente em voga nos noticiários, nas manchetes de jornais - ora é a violência que assola, ora é um Kit gay (olha o nome usado!!) feito "nas coxas" sem profissionalismo nem princípios pedagógicos, ora é o desabafo da professora... Mas de fato, realmente o que muda? Continuamos sem créditos e sem bons salários, sem condições de aulas, sem investimentos... Veja, acho sim que a culpa é de todos, da sociedade, do Estado, dos pais e inclusive dos professores. O que devemos fazer é organizarmos, fazer ações as quais nunca ninguém se atreveu. Os sindicatos?? Ora, quem acredita ainda em sindicatos no Brasil? Perdemos um dos maiores referênciais de luta social e de classe, porque hoje quem faz parte de sindicatos a maioria já almeja cargos políticos, ou continuar na condição de "beneficiário" do cargo sindical,todos acreditam que para se organizar deve ser em partidos... O princípio de uma democracia não é essa. Os sindicatos e partidos nunca trabalharam em prol da educação e sempre tratam nossas questões como sendo mera questão salarial, os sindicatos estão longe das escolas e professores, seguem os mesmo princípios do governo, só aparecem quando há eleições ou quando o governo vigente é oposição, pois se é situação, temos o que ocorre aqui no Sul - tá tudo lindo, é o petista Tarso Genro que está na ordem, como farão greve contra si mesmo?? Bem...`Desculpe se pareço cética, mas não, estou constatando uma realidade que deve ser dita. Ninguém, além de nós professores, se preocupam com a educação. Um abraço e desculpe o desabafo...

Assino o seu desabafo professora.

Estive na última atividade grevista promovida por nossa categoria na sede do governo do Estado do Rio Grande do Norte, no último dia 26. Os olofotes estavam todos para a Amanda Gurgel que aliás, posava para O GLOBO como uma estrela bem diferente daquela militante que frequentava as assembleias da nossa categoria.

irá ela pleitear uma vaga de vereadora ou prefeita da capital potiguar?

Muito bem professor Benildo! Viu?? Uma professora sai e desabafa, fala muito bem, nos representa muito bem... Mas, dá nisso, as lideranças que surgem ou são cooptadas pelos partidos ditos de esquerdas, ou acabam dissolvidas na própria vaidade e interesses pessoais. É claro que "Amandas" acabam se tornando uma bandeira e pior, permite que isso ocorra. Ora desde quando que a Globo dá notoriedade à um professor assim? Ora, Ora a vaidade vai a mil e deixa a segundo plano a luta de classe (da classe). Daí voltamos as mesmas, a educação e as condições dos professores tão denunciadas quando se está do lado de cá, pode ser o trampolim para cair pro lado de lá, e aí, já não serão mais três dígitos em seu contra-cheque... E a Educação volta a ser tratada nos palanques... Precisamos dar um fim nisto e agirmos mais como sociedade civil... Olha é lamentável!

Bem que poderia. já chega de tantos maias e alves.

Eu acho que a maior contribuição da professora foi fazer o debate a respeito da Educação no país ganhar repercussão em todos os cantos do país. Isso, ao menos, serve para informar aos mais desavisados sobre o assunto, o que já é um primeiro passo para a mudança: conhecer o problema.

A repercussão do discurso demonstra a importância não só do discurso em sí - prenhe de dados evidentes e tristes, resultado do extremo descaso dos governos (como ela bem colocou federal, estadual e municipal através dos tempos) como demonstra também a importância da internet na propagação das idéias.

Infelizmente nosos governantes, acredito, não terão vergonha nenhuma de admitir o que foi exposto e permanecerão caladinhos e ausentes como sempre foram.

Já nós, seus eleitores, se tivermos alguma consciência, temos o dever de não votar em quem se comporta assim...e exigir mudanças já!

É verdade Julio,

 

Sobre a internet como propagadora das ideias, basta lembrar a importância dela na deflagração da recente revolução no Egito.

 

Claro que ela sozinha não faz o milagre, é preciso ter um povo agerrido, consciente e politizado por trás do teclado. Nisso ficamos a dever, por isso pouca gente acredita que o discurso da professora vá dar em algo além dos 15 minutos de atenção que ela mereceu dos internautas brasileiros.

Só para carater de informe. Aqui na Bahia os professores de todas as Universidades Estaduais em conjunto com os alunos e servidores decretaram greve por mais de um mês e antes disso o governador que se diz PT e ex-sindicalista (Jaques Wagner) cancelou o salário dos professores e impediu de pegar emprestimos aos Bancos do Estado. Essa verdade a imprensa dita oficial não fala nada e tudo anda como se fosse o melhor governo do mundo. O pronunciamento da professora Amanda caiu como luva por esta banda aqui, porém repito, esse neocarlismo, comete os mesmo deslizes dos governos anteriores e os professores vivendo a margem do PIB imenso que a Bahia tem. Muita coisa tem que ser reveladoa ainda neste governo que se diz de esquerda.

Wagner,

Estava aqui vendo os artigos e os demais escrevem bo Café, e li o que você escreveu. Então me atrevo a te dizer, que Jacques Wagner é um antigo conhecido de quem já foi militante, de quem acreditou um dia que o PT seria o partido que chegasse para fazer o que ninguém fez, melhor, colocar em prática as teorias faladas em reuniões incansáveis de uma época em que acreditar era a plataforma ideológica de muitos. Não vejo como neocarlismo, vejo como o neoliberalismo petista que estão colocando em prática e com uma competência nunca vista. A professora Amanda foi a porta-voz de muitos. Veja, aqui temos a mesma situação, no RS o Tarso Genro (PT)é o governador e alguém ouviu falar em greve no Estado do Rio Grande do Sul? Não. Mas, os municipários no qual o prefeito é o José Fortunati, não petista estão em greve. Os professores municipários que possuem um piso salárial bem maior que o Estado pararam por melhores condições, mas os professores do Estado, que receberam um rídículo aumento, nem cogitam greve. Por que? Ora.. No Brasil nossas lutas são partidarizadas e só temos "apoio" quando deixam de ser situação. vejam, nossas manifestações, são infestadas de bandeiras partidárias, todos levam a educação pro palanque e a utilizam como plataforma eleitoreira. O Jacques Wagner a mim não causa estranheza seu peleguismo, na verdade, já era de imaginar e esperar... Mudou de partido mas não mudou seus interesses escusos... Precisamos nos organizar sim, sem partidos, para fazermos mudar tal situação...Um abraço e boa sorte aí, pois precisaremos de muita sorte nesses governos.

O piso salarial de minas é de 550 reais para quem tem curso superior, o pior do país. A muito que não tenho conseguido me sustentar com dignidade, não tenho mais acesso à internet e estou passando momentos de muita ansiedade e tristeza. o descaso com a educação neste país faz-nos questionar sobre o projeto de futuro, argumento tão recorrente nos discursos vazios de populistas subservientes a terceiros e nunca ao povo. Minha luta e de milhares de companheiros é também a mesma luta de todos os professores deste país. Dois companheiros, A Marilda e o Abdom, guerreiros dos trabalhadores em educação estão a cinco dias em greve de fome na assembléia legislativa, local este, que estamos acampados, esperando que o governo negocie o pagamento do piso ou sua proporcionalidade respeitando a carreira do profissional da educação. O governo do estado de Minas Gerais está imóvel até o presente momento. Peço a todos que enviem aos seus contatos essas informações, necessitamos de todo apoio possível. Avesso ao cumprimento da lei federal 11738/08, que institui o piso salarial nacional no valor de 1,187,70, o governador de Minas, criou um projeto de Lei que acaba com a nossa carreira, está pressionado o legislativo à aprová-la com urgência. Estamos tentando imped

RSS

Links Patrocinados

Membros

Cine História

Tarja Branca

Está em cartaz em cinemas brasileiros o documentário de estréia do brasileira Cacau Rhoden. 

Sinopse: A partir dos depoimentos de adultos de gerações, origens e profissões diferentes, o documentário discorre sobre a pluralidade do ato de brincar, e como o homem pode se relacionar com a criança que mora dentro dele. Por meio de reflexões, o filme mostra as diferentes formas de como a brincadeira, ação tão primordial à natureza humana, pode estar interligada com o comportamento do homem contemporâneo e seu "espírito lúdico". 

documento histórico

Guerra dos Trinta Anos: Confira o mapa histórico sobre a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648), uma das maiores guerras da história da Europa Moderna. 

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }