O que procuro buscar é um reconhecimento aos artistas plásticos de suas influência para a formação social, com o interesse maior na cidade de Fortaleza - CE.
Deixarei duas pergunta:
1. Você acha que ás obras artísticas possuí alguma influência sob a formação da sociedade?
.

 

2. Como você referencia tal influência em sua cidade, se a resposta for sim?


                      


 


 

Exibições: 2309

Anexos

Responder esta

Respostas a este tópico

VFreud, o Criador da Psicanálise, disse que a arte , como os sonhos ,é uma forma privilegiada de acesso ao inconsciente. O inconsciente, pessoal, coletivo ..precisa muito de expressão. Em qualquer sociedade espaço de expressão criativa é fundamental, para o sentimento de "pertencer", um antídoto ,para entre outras coisas...violência.

Na cidade em que moro, uma alternativa à pixação, foi o polêmico "grafite" entre outras ações, que surtiu efeito positivo .
PICHAÇÃO, e não pixação.
Olá! A arte existe por causa de nossa necessidade de sublimação? Acho que sim mas, também há outras necessidades embutidas na motivação artística que partiu, nos primórdios de uma representação mítica, sagrada, do mundo ao redor... O certo é que desde sempre o papel da arte dos povos é servir de demarcador da identidade cultural. Signos e significantes particulares assumem a carcterística de uma impressão "digital" capaz de identificar e congruir idéias e conceitos pactuados por indivíduos de uma mesma etnia, nação, tribo, clã... Dentro de qualquer sociedade moderna ou primitiva a arte é, e continua sendo, a substância aglutinadora que capacita os povos expressarem uma idéia de identidade. No campo da expressão individual tais manifestações artísticas são ainda mais reconhecidamente ímpares. Ou seja, ao se olhar para um quadro de Salvador Dali não necessitamos verificar a asssinatura do pintor para sabermos que a obra pertence a ele, ou foi constituída a partir de uma obra dele (no caso de uma imitação). A arte, portanto, é elemento característico na formação de uma identidade tanto pessoal quanto da sociedade.
1. Você acha que ás obras artísticas possuí alguma influência sob a formação da sociedade? .

 A minha opnião é o seguinte a arte deveria sim ser considerada como formação, mas a sociedade com suas informações  leigas e cegas, muitas vezes descriminam a arte, ainda existe aquela imagem de que artista é folgado, malandro que não faz nada, e nossos reprezentates quem são? e o que fazem de bom, investem em educação mesmo? e pq tanta escola de ensino particular, nossos impostos não estão sendo bem empregados.E artista é artista, é um dom, e eu admiro com os olhos brilhando.

Peço desculpas caso eu tenha interpretado errado a pergunta.

Como professor de História desde 1997, sempre busco introduzir nas minhas aulas, aquilo que considero a primeira forma de manifestação dos sentimentos humanos: a arte. Nesse contexto tento fazer a relação entre a arte e as diversas formas encontradas pelo homem para facilitar cada vez mais a sua interação com o tempo e o espaço nos quais ele está (ou esteve ) inserido desde as suas primeiras organizações em sociedade. Como suporte recorro sempre ao livro “História da arte” da Graça Proença do qual segue o texto:

 

“(...) Ao longo da história, o homem sempre produziu ferramentas para facilitar seu trabalho ou para ajudá-lo a superar suas limitações físicas. A vara e o anzol, por exemplo, nada mais são do que o prolongamento do braço; o guindaste, por sua vez facilita o levantamento de pesos que não poderiam ser movidos apenas com a força muscular.

Assim, o homem, um ser que facilmente seria vencido pelos elementos da natureza, produziu um sem-número de artefatos que lhe possibilitaram dominar e transformar o meio natural.

Essa atitude de criar instrumentos e aperfeiçoá-los constantemente torna possível a compreensão do processo civilizatório pelo qual o homem vem passando desde que surgiu na Terra. (...)”

 

Como podemos perceber arte, humanidade e sociedade andam juntas desde tempos e espaços bastante remotos e esse conjunto já realizou grandes transformações e ainda há de realizar muito mais.

A arte, assim como a História, possuem uma função social de formação de identidade. A arte pode unir uma determinada população, de valorizar aquilo que é deles. Eu moro em Boquim, interior de Sergipe e minha cidade é muito pobre com relação a arte. As pessoas não são unidas, não possuem uma identidade unificadora de cidadãos boquinenses. Muito pelo contrário, só se escuta comentários negativos sobre a cidade, e estes são ditos pelos próprios nativos da terra.

Tema adorável. Até as teorias críticas mais negativas ressaltam a esperança que depositamos na arte para a formação social. Parabéns pela discussão proposta, Cícero. E, principalmente, pelo resumo anexado e pela ideia e foco em uma das facetas de seu avô. Vou tentar seguir as perguntas mesmo e pontuar só no que acho que consigo ser crítico para contribuir.

1. Você acha que as obras artísticas possuem alguma influência sob a formação da sociedade?

Eu acho ultrapassado falar em "influência". Não só ultrapassado, mas irrelevante em termos de método de pesquisa. Pois, já dizia um sábio popular: "tudo é influência e ponto final". Falar em "papel" da arte é um pouco melhor, como você faz no resumo, pois remete à representação (a arte tem um papel/representa algo na sociedade). Mas, ainda assim, talvez fosse interessante a apropriação da noção de "performance cultural", de onde é possível perguntar não só se as obras artísticas influenciam (resposta de sim ou não), mas também de que modo a arte o faz num determinado contexto como o da arte plástica em Fortaleza.

Assim, eu acredito que as obras, como as de Mário Baratta não só influenciam (tudo influenciam tudo), mas podem ser localizadas em um contexto. Elas só existiram do modo como são porque são fruto e geram efeitos na sociedade ao redor. Identificar onde é que mais ocorre diálogo entre setores diversos da sociedade é o que é mais interessante. Existem teorias que dizem sobre o "mundo como teatro" (Goffman), em que todas as manifestações artísticas, culturais, econômicas, sociais etc são performances do cotidiano que "presentam" o mundo como ele é... como teatro. O que difere a arte é, normalmente, a consciência e o reconhecimento que se tem de que aquele ato performático (como as artes plásticas de Baratta) são arte e não outro produto cultual qualquer (como uma lei, como uma carta de princípios ou uma peça utilitária para os lares cearenses).

2. Como você referencia tal influência em sua cidade, se a resposta for sim?

Eu vou falar de duas cidades, a que fui criado e a que resido hoje. A primeira é Palmelo (GO). Lá a cultura do espiritismo é fundadora do município e a arte propriamente dita não me aparece com grandes pontos de influência. Mas se considerarmos a arquitetura (uma grande pomba de concreto na entrada da cidade, o formato em "E" da escola no local, a casa espírita mantendo a antiga porta de entrada para o lado em que se iniciou a cidade, além de manifestações de uma artista chamada Yashira), provavelmente teremos que são performances constituintes da identidade espírita que se vincula à cidade. - Aliás, meu projeto de pesquisa atual passa por isso.

A segunda é Goiânia (GO). A impressão que tenho daqui é de que houve uma influência inicial, mas logo negada da arte local. As marcas de tentativa de art decò na cidade, essas coisas... parecem meio "antropológicas demais". Foi feito e mantido não como uma realidade que tem importância na formação da sociedade, mas já como história, já como apenas arte (do passado). A literatura, a música aqui eu tenho a impressão de ser rica, mas ao invés de ter acesso privilegiado na formação social, tomou um caráter folclórico (contos do sertão) ou pop (caso da música sertaneja) que foi obliterado pela sociedade em busca da modernização e de seguir os passos para a construção da capital nacional, Brasília.


Tenho interesse em ver sobre este seu trabalho. Vou acompanhando por aqui. Um abraço!

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

Educação: Publicada semestralmente pelo departamento de educação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. “Educação” destina-se à publicação de trabalhos inéditos e originais na área de Educação, resultantes de pesquisas e práticas educativas refletidas teoricamente. A Revista é organizada em sessões de Dossiê, Demanda Contínua e Resenha. A revista tem o Português (Brasil) como idioma principal e o Espanhol como idioma secundário. Todo o conteúdo da revista (disponibilizado em PDF) é gratuito. Para conhecer esse periódico, clique aqui

bibliografia comentada

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

© 2015   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }