Professor de História trabalhando outras disciplinas. Por que isso acontece?

O que vemos atualmente em sala de aula, são professores com formação em determinada área mas que trabalha áreas afins, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio. Isso acontece principalmente na disciplina de História, onde o professor também é responsável pelas disciplinas de Sociologia, Filosofia, Ética, Ensino Religioso e principalmente Geografia. Por que isso está acontecendo nas escolas? Falta professor com formação específica? Sobra horas-aula para o professor de História que então pode assumir mais disciplinas?

Quais as consequências dessa prática para o professor? E para os alunos?

Obs: Não encontrei esta discussão em minha busca, caso ela já exista, desconsiderem. Obrigada.

Exibições: 6039

Responder esta

Respostas a este tópico

passo pela situação destacada por giulia..moro em brasília e sou formada a alguns poucos meses e dou aula a mais de um ano..durante esse ano, dei aula de todas as ciências humanas possíveis, porém no meu caso em específico dou aula para crianças com problemas de aprendizagem...é gratificante ver a forma como eles recebem todos os conteudos de forma tão carinhosa, apesar de não apreenderem grande parte do que é dito...Na escola onde leciono ministro aula de todas as disciplinas por falta e de professor e pela má vontade da direção em contratar professores das áreas citadas, como se não fosse importante para os alunos terem o professor "correto" em cada disciplina...em algumas matérias deixo muito a desejar...como por exemplo em ensino religioso..ministro aulas de sociologia, filosofia, ética, geografia e história e sinto que algumas lacunas são deixadas por mais que eu me esforce em preenche-las, para os alunos isso vai causar sérios problemas, já que não existe e eu não sou nem uma milagreira das ciências humanas.. É realmente gratificante ver a felicidade dos meus alunos especiais no fim de cada aula, mas também é muito triste ver que não estou contribuindo da forma exata como deveria ser, me sinto culpada até..Já falei várias vezes para a direção da escola providenciar os professores em específico, mas nenhuma medida é tomada, justificada na disculpa da escola não ter fundos suficientes e pode até ser verdade levando-se em consideração a misérisa que eu ganho...vai minha opinião em forma de protesto e desabafo.
Giulia, isso acontece mesmo com certa freqüência em todo o Brasil. Na maior parte dos casos, essa situação se deve a falta de docentes nessas disciplinas. E olha que na história isso ainda é algo mais ou menos comum. Em certos pontos do nosso país é praticamente a regra em disciplinas como matemática e física.
Isso acontece muito nas escolas públicas e até em faculdades privadas, e públicas. Onde colocam professores que não tem certas especificação em certa matéria. É correto dizer que o formado em história, estuda variadas disciplinas durante o curso, porém, há um direcionamento nestas áreas, sempre ligada a história. O problema pelo que vejo, está na contratação do profissional. Só porque o profissional da história, também estou filosofia, sociologia, geografia e etc, pensam que ele pode dar aulas destes assuntos. Mas como disse a Thamires, realmente, o orgão de ensino tem "preguiça" de contratar um profissional correto da matéria.
Eu já passei por isso, dando aula de geografia. E também deixei a desejar a matéria para os alunos. Colocando um profissional de uma área especifica em outra área não tão especifica.
Propus esta discussão porque também passo por isso. Aqui no Rio Grande do Sul, vivemos uma crise política terrível, cheia de corrupção escancarada, CPI e reformas, principalmente na educação. O governo do Estado quer mudar o plano de carreira do magistério e assim, cada professor poderia ensinar qualquer disciplina, desde que faça um simples curso de reciclagem. Bom, o tema não é o Governo do RS, mas a partir daí se vê a falta de professor, que é o grande problema por aqui. Eu sou professora de Geografia, mas sinceramente, minhas aulas não são boas, por mais que eu me esforce, falta paixão e isso não tem conteúdo que faça mudar. Meu marido por exemplo, é formado em História, mas ministra aulas de Ética e Cidadania, Geografia, Filosofia, Sociologia e Ensino Religioso. Sinceramente, por mais que a gente entenda os problemas que acontecem na educação, eu considero isso falta de respeito com o professor.
Também a falta de mobilizalção dos professores como classe trabalhadora colabora para isso. Não que eu esteja fazendo discurso sindical, mas sim dizendo que nossa classe também , infelizmente aceita a muito do que é determinado de cima, sem qualquer questionamento, pelo menos não diretamente aos responsaveis legitmos pelas mesmas. Repensar a passividade do professor que tem cada achado normal a sua situação de constante marginalização tanto pelas autoridades como de certo modo igualmente pela sociedade, é algo que deve ser feito por nós primeiramente, ao passo que grande parte de nossos colegas aguarda que alguém olhe por nós. Hoje a realidade, por mais dura que seja, é que cada vez se interessa menos pelo aprendizado real, por se desejar apenas ter o diploma, situação que aqui no Paraná chegou ao cumulo com a criação do programa Superação que na verdade é uma forma disfarçada de punir às escolas que tenham altos índices de reprovação, além dos casos de pais que chegam a constestar legalmente a reprovação de seus filhos, mesmo quando claro de não terem condições de passar para uma outra etapa ou ano letivo. Sendo que a quem interessar há propaganda do governo estadual do Paraná que fala em informatização das escolas, festivais (como o FERA), etc, mdiz gastar 30% do orçamento com a a educaçã, mas que no fundo só quem está dentro vê as vezes nem quem está dentro quer perceber. O que parece mais um pesadelo, mas que é uma realidade a queal também nossa classe tem a sua responsabilidade, quando muitos de nossos colegas nada fazem além de acatar o que lhes é imposto.
Não sei como é nos dias de hoje, pois estou afastado do meio acadêmico. Mas no meu tempo de estudante, cursos de formação em licenciatura, funcionavam assim: História/Geografia; Língua Portuguesa/Língua Estrangeira(Espanhol,Ingles, Frances-uma delas naturalmente.).
Ola eu dou aula de sociologia e filosofia, no meu caso por que há poucas pessoas formadas nestas duas areas.

Acredito que seja devido a carga horário, como são duas aulas semanais, é preciso completar e acaba sobrando para nós professores desta disciplina.

Olha Giulia, precisamos pensar nas especificidades legislativas de cada Estado para falar sobre esse tipo de coisa, já que "pegar" aulas é um pouco mais facil em alguns Estados ou mais dificil em outros, dependendo do tipo de Secretaria Estadual de Educação que existe nesse ou naquele Estado.

Especificicamente no caso de São Paulo, acho que o grande problema é a falta de valorização a Licenciatura Plena no que tange ao Ensino Fundamental. Qualquer professor de matéria correlata, por exemplo geografia, pode "pegar" aulas de história de 5ª até 8ª contanto que tenha uma Licenciatura Curta em história e mais pontos que os professores de história que disputam com eles as famigeradas atribuições.
E pq o pessoal faz isso? Independente da disciplina a questão que motiva o cara é pura e simplesmente economica. Todo mundo precisa de salário, então se sujeita a lecionar disciplinas que não são de seu completo conhecimento em busca de dinheiro. E não acho isso errado, não pela parte dos colegas professores que fazem isso, mas por parte da Secretária de Educação que permite isso.

Em relação aos alunos? Não sei sobre a sua realidade ou a dos colegas que postaram aqui suas opiniões, mas sei que aqui no Estado de São Paulo a situação está tão dificil que é complicadissimo até dar aulas. Então mais do que o problema de ser um professor de matéria correlata, existem outras questões que prejudicam muito mais a aprendizagem dos alunos, como estrutura das escolas, falta de comprometimento dos estudantes e amarras juridicas que não permitem que coordenação e direção exijam disciplina da garotada.
Parabéns Marcelo pelas suas colocações, também sou do Paraná e concordo plenamente com você. Nossa categoria está muito acomodada, atualmente estou liberada para o trabalho sindical, mas estava até o ano passado em sala, lecionava história(disciplina de concurso), mas tbém geografia e artes, mesmo fazendo a denúncia pelo sindicato, não obtive o apoio dos colegas, que em determinado momento só pensa em preencher sua carga horária da maneira mais cômoda possível, a qualidade do ensino não é questionada ou sequer pensada. O governo tira proveito dessa apátia e implanta os vários programas que na verdade a grande maioria deles, são formas disfarçadas de esconder essa bárbarie toda. Concordo com vc, ser prof. é fácil, o difícil mesmo é ser educador.
Pois é. Claro que todo mundo entende o ponto da necessidade do professor assumir horas que não são de sua formação porque precisa trabalhar, precisa receber. Eu mesma faço isso. Mas a questão é quando o professor poderia estar na sua área e não está. O correto mesmo seria cada um na sua área e não havendo falta de professor.
Como colocou a Áurea, alguns professores realmente se acomodam. Alguns assumem disciplinas diferentes só pra poder ter tempo livre em determinado dia da semana, ou porque já tem material pronto... essas coisas.
Se está tudo desorganizado desse jeito, faltando interesse do professor ás vezes, faltando interesse da família e do estado... o que sobra pra nós, que estamos apenas iniciando a carreira no magistério?!
É preciso uma urgente e profunda reforma no ensino brasileiro.Currículo básico único e obrigatório em cada curso superior,currículo único desde o ensino fundamental ao fim do ensino médio.
O poder desta reforma deve ser no âmbito federal, por parte do Mec, acabando com a farra de alguns prefeitos e governadores que demagógicamente, querem enfiar goela abaixo dos alunos, matérias de somenos importância, como por exemplo, religião, educação sexual, com professoras ensinando aos alunos como usar camisinha, etc.

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

História Regional: Confira na íntegra a nova edição da Revista de História Regional. A RHR foi fundada em 1996 e desde o primeiro volume tem disponibilizado gratuitamente todo o seu conteúdo pela internet. O periódico é uma publicação do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em História (Mestrado em História, Cultura e Identidades) da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Possui Qualis B1

Cine História

O Abutre

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros um dos filmes mais aguardados do ano: “O Abutre”, de Dan Gilroy. O filme é uma crítica mordaz aos meios de comunicação contemporâneo, escancarando o abandono da ética e da moralidade na cobertura jornalística. Mas a mídia não é o único alvo do filme. “O Abutre” - com atuação visceral de Jake Gyllenhaal - é uma crítica a lógica moderna de gestão que rege a vida moderna, não importante a área ou profissão. 

Sinopse: Enfrentando dificuldades para conseguir um emprego formal, o jovem Louis Bloom (Jake Gyllenhaal) decide entrar no agitado submundo do jornalismo criminal independente de Los Angeles. A fórmula é correr atrás de crimes e acidentes chocantes, registrar tudo e vender a história para veículos interessados.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }