Por que, de todos os líderes comunistas, Joseph Stálin é, de longe, o mais importante e o mais polêmico?

Certamente Stálin não foi o mais simpático ou o mais carismático dos líderes comunistas. Era um homem que inspirava medo. Um líder cujo autoritarismo não contribuía em nada para que as pessoas desenvolvessem o seu potencial intrínseco, fosse na política, nas ciências ou nas artes, uma vez que todo processo está sujeito ao erro. Mas que erro? Ninguém sabe. Ele simplesmente flutuava sobre toda sociedade, podendo cair como uma espada de Dâmocles na cabeça de qualquer um. Simplesmente as pessoas podiam transgredir regras que não estavam muito claras, tendo que pagar por isso com a perda de liberdade ou a própria vida. Em outras palavras, respirava-se uma atmosfera asfixiante onde, tanto podia não acontecer nada quanto ser suprimido da noite para o dia. Mas nada comparável a Alemanha nazista, onde o partido incentivava as próprias crianças a denunciarem seus pais.

Todavia, a História não julga os líderes pela sua maior ou menor bondade ou crueldade. A História vê o  líder de uma perspectiva longínqua, do que ele fez não pelos indivíduos, mas pelo povo, pelo coletivo, pela nação. No interesse da maioria, mesmo com o sacrifício de alguns.

 Stálin é esse líder cuja importância não se esgota no seu tempo, mas se projeta no futuro. Mesmo com a denúncia dos seus crimes pelo próprio PCUS, em seu XX Congresso, em 1956; mesmo com a queda do regime comunista na URSS, em 1991, até hoje os russos, mesmo os não comunistas, veneram o Guia Genial da "Grande Guerra Patriótica" (como os russos se referem à II Grande Guerra), pois sabem que, se não fosse por ele, o país teria sido retalhado pelos alemães, e a maioria da sua população massacrada ou escravizada. Alguns podem odiá-lo em função de toda propaganda anti-stalinista existente hoje, mas sabem também separar as coisas. O que teria sido da URSS se tivesse sido derrotada pela Alemanha nazista? O que teria sido da URSS se não tivesse respondido aos Estados Unidos fabricando sua própria bomba atômica, em 1949? Capacho, como o Brasil.

Portanto, neste fórum, não basta vociferar "Assassino", "Crápula" ou qualquer coisa neste sentido. Milhões de inocentes continuam morrendo no Afeganistão, Líbia, Iraque, Síria, Palestina e outros lugares. Só que não podemos concentrar nosso ódio num só vilão, já que o sangue das vítimas está espalhado por várias mãos. Mas quem se incomoda? Só os vencidos comparecem aos tribunais de guerra.

Exibições: 1611

Responder esta

Respostas a este tópico

O verdadeiro socialismo é o que existiu.

Sem querer ser chato nem querer exigir muito mas seria possível ser um pouco mais específico? Tipo assim citar pelo menos um lugar, um líder. Sabe como é, fatos, história...

RSS

café história acadêmico

Lançamento: A 13ª Edição da Revista Ars Histórica está no ar cheia de novidades. Nesta edição, os leitores encontrarão o dossiê "Império Português em Perspectiva: Sociedade, Cultura e Administração (XVI-XIX)" apresentado pelo Prof. Dr. Antonio Carlos Jucá, PPGHIS-UFRJ. Clique aqui para conferir na íntegra.

bibliografia comentada

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. cafehistoria@gmail.com

dicas de dezembro

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }