Pra quê serve a História? Pergunta comum dentro de uma sala de aula enquanto um professor extenuado tenta dar continuidade a mais uma aula... Eu mesma já fiz a irônica indagação e hoje me vejo estudando para ser historiadora. Acho que sem a produção histórica seríamos como um alguém que sofre de amnésia profunda, como uma sociedade sem identidade, que não sabe como chegou a ser o que é, muito menos o que pode vir a ser. História é memória, reflexão sobre esta memória e criação de novas memórias...

Exibições: 55

Responder esta

Respostas a este tópico

Sara, acrescentando a sua escrita, complemento que o presente nada mais é do que uma consequência do passado.
Exatamente Sara. Este seria o primeiro passo para mostrar aos alunos a importância da História em suas vidas, onde conhecer o passado significa entender e modificar o presente.
olá,

Que pergunta complicada!
Normalmente existe o discurso seguinte: "estudando o passado, se compreende o presente e traça caminhos para o futuro".
Que lindo não é??
isso foi aplicado nas sociais democracias pelas classes dirigentes e todos sabemos o que aconteceu!

acredito que a história não é nada mais do que a troca de experiência humana e a busca incessante pelas compreensão do mundo, pela tentativa de entender o tempo que não nos é mais intimo.
É o dar forma a algo completamente desforme, dar lógica ao completo caos e é o ressuscitar pela linguagem.

eu acho que é isso,
que coisa né?
depois dizem por aí que a matemática que é difícil!


até mais
Gostei! Se juntarmos a sua definição, a minha e a da Marlucia fazemos uma poesia... Concordo com você. estudar e compreender História é muito mais difícil do que parece, justamente por sua flexibilidade, que abre espaço a inúmeras e cada vez mais ousadas questões e revisões do que já se sabe ou pensa-se saber.

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }