O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Gostaria de saber se os etruscos eram negros,ate onde sei eles não foram indo-europeus.

Exibições: 6229

Responder esta

Respostas a este tópico

  Os etruscos de fato são um povo proto-indoeuropeu, o que não significa que fossem exatamente negros. Nem todos os povos de fenótipo branco são de origem indo-europeia: Vide os bascos. o povo do Riff no Marrocos, os iberos, os húngaros, os finlandeses, estonianos, etc... Vários historiadores da Antiguidade escreveram sobre os etruscos, como Heródoto e Dioniso, e divergiram muito sobre a origem deles. A maioria da comunidade científica que estuda os povos proto-indoeuropeus, se baseia nesses relatos historiográficos e na arqueologia, pra defender a versão de que os etruscos teriam origem na Lídia, atual Turquia (sendo então possivelmente aparentados aos hititas ou até aos armênios), por volta do século XI a.C.. Segundo essa versão, mais aceita, e a muitas análises de restos humanos encontrados nos compartimentos funerários da região da Toscana, da Emília-Romagna e da Úmbria, os indivíduos seriam realmente muito assemelhados às populações do Mediterrâneo da Idade do Bronze (como os corsos antigos, os povos gregos anteriores à invasão dórica, os minoanos, e novamente os hititas), portanto povos que comparados aos germanos seriam "morenos", mas sem ligação direta ou grandes semelhanças com as populações negras ao sul do Saara.
 A outra versão sobre a origem etrusca, no entanto, também é estudada. Dioniso de Halicarnasso discordava de Heródoto, e afirmava que os etruscos nunca migraram de lugar nenhum e "sempre estiveram ali", sendo eles membros de uma "grande família" de povos indígenas da Itália. Ao contrário da primeira hipótese, esta é bem menos aceita, mas se fosse tomada como verdadeira, se poderia dizer que os etruscos eram um povo branco com base nas múmias encontradas naquelas regiões. A mais conhecida e mais conservada, batizada de "Ötzi", foi achada congelada nos Alpes Italianos no ano de 1991, por turistas alemães, e dataria de um período próximo a 3.500 a.C. Hoje ela se encontra no Museo Archeologico dell' Alto Adige.

O que a achei foi um blog afrojudaicos que defende os etruscos como negro

http://cnncba.blogspot.com/2010/03/africanos-primeiros-habitantes-d...

Os trojanos,Troia são atuais turcos e turcos não são brancos nem europeus,assim como os mouros,todos negros. Obs Os etruscos não são indoeuropeus.Os armenios são brancos.

 É um anacronismo, pois a região geográfica da Ásia Menor (naquela época não era Turquia), não era ocupada pelos povos, rotulados pelo geneticismo oitocentista de "amarelos", (e são muitos povos) que chamamos genericamente de "turcos" (além dos turcos da Turquia, há os azerbaijanos, os turcomenos, parte da população do sudeste da Bulgária, uma minoria muito influente em Chipre). Os turcos só foram chegar onde hoje é a Turquia no século XIII, seguindo os movimentos de invasão dos mongóis (inclusive há muitas semelhanças, e muito visíveis entre turcos, tártaros e mongóis, tanto em idioma, quanto em manifestações culturais, quanto na aparência), antes de ser Turquia, a Ásia Menor foi ocupada por vários povos: Bizantinos, Gregos, Arianos (persas), Celtas (gálatas), Assírios, Romanos e Hititas (tidos como os indígenas da região).   Os troianos eram uma população visivelmente ligada à civilização micênica, que dominou o Egeu no segundo milênio a.C. Tróia já não existe como cidade há milhares de anos (as ruínas de Tróia já eram ruínas na época de Alexandre, que visitou os restos da cidade para prestar homenagem a Aquiles), e o que resta lá hoje é o sítio arqueológico de Çatal Huyukk, que foi escavado por Heinrich Schliemann no século XIX.

 Sim, eu sei que os etruscos não eram indo-europeus, como eu disse acima, eles eram PROTO-indoeuropeus (isto é: Eles já haviam chegado ao Mediterrâneo antes do indoeuropeus). O que eu disse é que nem todos os povos tidos como brancos são indoeuropeus. De novo os exemplos dos povos bascos e fino-úgricos. E esse rótulo de "mouros" não é um conceito étnico ou racial, até porque um povo "mouro" ou "sarraceno" só existe na cabeça dos europeus, e foi uma visão construída durante a Idade Média pelos espanhóis, no período de Reconquista, e se refere basicamente aos muçulmanos que habitavam a Andalusia e a costa mediterrânea (e habitam até hoje). Os povos chamados preconceituosamente de "mouros" são basicamente povos de predominância étnica e linguística semítica (sobretudo proveniente dos árabes, que vivem naquela região desde o século VII d.C.), tendo se miscigenado em parte com povos que habitavam as regiões a norte do Saara, que podiam ser tanto brancos, como os vândalos (que chegaram à África Romana no final da Antiguidade), o povo do Riff e os númidas, ou podiam ser negros, como eram os egípcios (ligados aos dravidianos, população negra do sul da Índia), os núbios ou os povos do Reino de Axum. Os povos árabes em si não são exatamente "negros" (palavra de um descendente de árabes egípcios, que vive em uma região de comunidade árabe enorme, e pode até dar uma olhada na foto do Hosni Mubarak, no canto da página: Ex-ditador da República Árabe do Egito), assim como outros povos semitas também não são (vide os judeus mizhari e as inúmeras representações romanas dos antigos fenícios e cartagineses).

 Quanto ao lido no blog escrito pelo Walter Passos, eu o aconselharia, como colega historiador, a centrar bem menos na questão da sua ideologia pessoal (já que ele se autoproclama um militante "afrocentrista", como se isso também não fosse uma ideologia racista), pois isso pelo jeito o fez desconsiderar  e simplesmente uma série de dados tanto das fontes, quanto da própria arqueologia, ou de estudos etnográficos. O nome Kemet era realmente atribuído aos egípcios, e sim, no caso egípcio significa "Terra dos Negros", o que é realmente bem possível se compararmos o idioma e os textos litúrgicos do Egito Antigo com os dos tâmis, a maior população negra dravidiana que viveu no sul da Índia e no Sri Lanka, e há judeus negros originários da Etiópia, inclusive o nome desse grupo é Beta-Israel, ou como chamam preconceituosamente os cristãos etíopes "Falasha" (que na língua ge'ez significa "estranhos"), assim como há judeus brancos que se miscigenaram com populações germânicas (ashkenazi), isso não significa que eles eram originalmente negros (sendo que os semitas são originários da Suméria). Mesmo essa suposta "conquista" da Grécia pelos egípcios é contestável, se referindo ao que se chama de período pré-Homérica, mas é dada pela comunidade acadêmica como bem improvável, sendo que não havia grandes motivos para um conflito entre gregos e egípcios antes da Idade do Ferro, sendo que os principais antagonistas eram mesmo os povos do Oriente Médio como os fenícios, hititas e assírios, e o Egito sequer tinha um poderio militar tão considerável (vide as diversas trocas de dinastias, por conta da incapacidade dos soldados de defender o Faraó, e os resultados catastróficos em eventos como a Batalha de Kadesh, onde Ramsés II, o mais grandioso dos faraós egípcios foi humilhado pelos hititas), apesar de a civilização egípcia ser, sem dúvida, uma das mais brilhantes do mundo antigo.

 Voltando aos etruscos, usar as ânforas com desenhos pretos para afirmar tão categoricamente que os mesmos eram negros é simplesmente ridículo. Assim como os gregos, que também apareciam como pretos nas ânforas, os etruscos usavam nas suas imagens, os pigmentos disponíveis no solo do Mediterrâneo europeu, ou usavam bronze, que por si só já é uma liga metálica de cor escura, e que escurece mais com o passar do tempo. Seria a mesma balela dizer que os romanos não tinham melanina na pele porque o mármore é branco, ou que os povos que viviam entre os rios Indo e Ganges tinham a pela azul porque Rama e seus soldados aparecem pintados com lápis-lazuli nos livros sagrados. Afirmar que os povos do Mediterrâneo europeu não são considerados como negros por "puro racismo" é nesse contexto, um argumento, que além de poder ser destruído por praticamente qualquer coisa que a etnografia já estudou, parece completamente passional, visto que isso é afirmado desde a Antiguidade, e a ideologia de discriminação pela cor da pele era algo que só foi aparecer no século XV. Ter um escravo negro na Roma Antiga era apontado por diversos autores antigos (Catulo e Mauro) como um símbolo de status devido à sua raridade. Nero, por exemplo, demonstrava seu poder com (além das muitas outras coisas que fazia para esse fim) escravos núbios carregando sua liteira.

Não sou racista,acredito que os etruscos e mouros ,arabes,judeus,são negros ou pardos e não brancos.Como os turcos,pele clara,não quer dizer ser branco.Falam de 9 cidades Troianas.Nenhumas delas não são turcos ??.Os aqueus eram gregos e os troianos para você seria qual raça humana??

 Não acredito na existência de "raças humanas", até porque as diferenças entre genes haplóides ou diplóides, crânios dolicocéfalos ou braquicéfalos não são suficientes para classificar a humanidade em "raças". O que existe são ETNIAS: Grupos humanos que se caracterizam não só pelo fenótipo, mas pelo sentimento de pertencimento a um mesmo povo, pelo idioma e pela cultura. A Tróia do poema de Homero (da Guerra de Tróia) já era a 7ª (Schliemann usou como referência a datação obtida das muralhas, que segundo diversas fontes, homéricas ou não, teriam sido construídas pelo penúltimo rei daquela cidade), sucedendo algumas cidades, que por razões de catástrofes naturais ou possíveis invasões, chamadas de Ílion (daí o nome Ilíada) pelos micênicos e anteriormente de Wilusa pelos hititas. Pelo que parece, essa sétima Tróia foi possivelmente a mais próspera, tendo alcançado uma relativa importância econômica com a venda de cerâmica de boa qualidade e de lâmpadas talhadas em pedra. Nas suas escavações, Schliemann percebeu que as ruínas superiores (e mais recentes), das últimas duas Tróias, pareciam ser de cidades bem mais pobres, sendo que a última sequer foi destruída, mas sim abandonada. Isso sugere que depois de ter sido destruída pela coalisão de Esparta-Micenas por volta de 1.200 a.C., Tróia infelizmente jamais se recuperou.

 Certamente os troianos não tinham ligações diretas com os turcos ou qualquer dos povos altaicas, pois esses povos só foram atingir a Ásia Menor no século XIII d.C. Mais de 1500 anos após a visita de Alexandre, o Grande, que quando para lá peregrinou só encontrou ruínas (e delas até recolheu uma armadura com o desenho da Medusa, que achou ser a "Armadura de Aquiles", para sua batalha contra Dario III), segundo seu cronista Calístenes.

 Bom, se você acredita que árabes são pardos, é uma opinião pessoal. Vivo em uma cidade com grande colônia síria, judaica e libanesa, e vejo imigrantes que chegaram de lá geralmente como "morenos". Por serem povos que habitam áreas muito extensas (desde o Marrocos até o Iraque), também têm aparências muito distintas: Um árabe do Marrocos, por exemplo, pode parecer bem mais pardo, enquanto um árabe que vive no deserto do Iêmen é praticamente negro, e outro que vive nas terras altas do Líbano é praticamente branco. O mesmo acontece com os hebreus, que se espalharam pelo mundo de forma bem mais irregular.

 Os troianos provavelmente eram mais um dos povos do Mediterrâneo, similares aos gregos (um estereótipo comum de gente de pele morena-clara e olhos e cabelos escuros, bem diferente do mito bobo dos "gregos louros" que sobreviveu do século XIX até hoje). A cultura material (arquitetura e objetos) encontrada em Tróia é extremamente similar à grega. Tróia possuía um Templo dedicado a Apolo, um modelo de construção e um conjunto de máscaras funerárias bem similar aos micênicos. Contudo, não se pode descartar que os troianos também tenham sofrido alguma influência dos hititas, pois textos provenientes do Reino de Mitanni citam a cidade como um dos seus contatos comerciais.

Posso te garantir,q a origem do povo turco,é branca sim"persas" povo indo-europeu,como os mouros,troianos,tds povos brancos.

Nem todos os "brancos" (caucasoides) são indo-europeus. Turcos, judeus, árabes, húngaros, finlandeses,  etc. não são indo-europeus, mas são normalmente considerados "brancos". Certamente, eles  não são "negros" como os povos da África subsaariana.

Como o Renan disse, porém, a classificação de seres humanos por "raças" é um conceito biologicamente ultrapassado. Com a genética moderna, sabe-se hoje que as diferenças genéticas "intrarraça" (nova ortografia ?) são maiores do que as diferenças "inter-raças", o que significa que dois "negros" por exemplo podem ser geneticamente mais diferentes entre si do que um "negro" e um "branco" quando se considera todo o genótipo humano e não apenas algumas características externas escolhidas arbitrariamente como cor da pele, ou formato do cabelo e dos olhos.Além dos mais, quase todos os grupos humanos conhecidos tiveram contato entre si e trocaram genes nesses contatos, o que significa também que não há nenhuma "raça humana pura".

"Raça" entretanto ("branco", "negro", "amarelo", "ameríndio", "australoide", "capoide", etc.) existe ainda (e, nesse aspecto, eu discordo um pouco do Renan) como um conceito cultural que tem implicações históricas e sociológicas , por exemplo, domínio de um grupo sobre outro, discriminação, genocídio, etc.

Existe sim raça pura como japoneses,indios e brancos,não podemos confundir fenotipo com genòtico.

Não sou racista,sou pardo de olhos azuis.

 Concordo com você, Marcelo. Esse conceito de "raça" ao qual me referi como obsoleto, é o conceito científico. Aquele defendido por sujeitos como Voltaire no século XVIII, desenvolvido por uma leitura extrema do darwinismo por filósofos e legistas como Arthur de Gobineau e Cesare Lombroso (aqui no Brasil foram Oliveira Viana e Nina Rodrigues), e extremamente popularizado a partir da década de 1850. Foi este tipo de racismo que inspirou regimes como o colonialismo da África a partir da Conferência de Berlim, o nacional-socialismo, a era showa e o apartheid sulafricano. O conceito é obsoleto, mas ganhou um alcance tão grandioso junto às diversas populações do mundo que ainda continuam reproduzindo esse discurso. Ser um conceito obsoleto não significa ser um conceito extinto. Bem lembrado.

 Juliano, não há confusão de genótipo e fenótipo, mas nos bons e velhos termos científicos, a "raça" só existe no caso de uma diferença significativa e não-anômala no código genético que se repita regularmente em indivíduos do mesmo tipo de linhagem (como nos cães), o que definitivamente não é o caso do homo sapiens sapiens.

 Como você diz que não é racista, se acabou de afirmar a existência de raças, e mais, de "raças puras"? Racismo e discriminação racial não são a mesma coisa: Racismo é a crença que a humanidade pode ser classificada em raças (chamar alguém de racista antes de 1945 não era ofensivo) e discriminação racial é uma forma de racismo que entende as tais "raças" como "castas" e as hierarquiza (coisa essa que você não fez). Nem num caso "não-racista" daria pra afirmar que há qualquer "etnia pura", sendo que o próprio sentimento de unidade de um povo é gerado do contato e do entendimento que há um "diferente". Vide os exemplos que você citou: 

Japoneses: Eles próprios se reconhecem, tanto mitológica quanto arqueologicamente como descendentes de povos migrantes do continente asiático. Após o período Jommon houve a migração dos Yayoi da Coréia, e depois a formação do povo Yamato que teve um contato fortíssimo com os Shang da China (tanto é que num período posterior houve a introdução do budismo, e se você reparar na escrita de kanjis, vai ver semelhanças evidentes com os pictogramas chineses). Até mesmo os portugueses estiveram no Japão no século XVI ("Arigato" é uma corruptela de "Obrigado", e o tempurá é baseado na "massa tenra").

Índios: Nunca houve um "povo índio". A teoria de que todas as populações da América pré-colombiana sejam originárias da migração pelo estreito de Behring durante a 4ª glaciação é a cada dia mais contestável. Existe uma TREMENDA diversidade entre as populações ameríndias em tudo: Cultura, religião, idiomas e até mesmo no fenótipo. Procure comparar um Inuíte com um Cheyenne, com um Guarani, com um Nahuatl e com um Mochica, e você vai ver a diferença.

Brancos: De novo. O que são brancos???

Renan Miranda,

Brancos podemos classificar os indo europeus,Indianos,persas,curdos,etc e seus descendentes,ate indios são brancos,os Chachapoyas e os  "índios brancos" ainda existem na Amazônia: são Waiká a ilha de Maracá, Velho veneno no rio, branco, testa alta, olhos grandes e cabelos longos, castanho suave. Só os vi em 1959, Marcel Homet.

 

"

 Sim. Isso foi uma descrição étnica (um tanto precipitada no caso dos indianos. eu diria, pois as populações dravidianas são negras), e não racial.

Não tenho muito conhecimento de Indologia,tanto os judeu,como os dradivicos sempre rejeitaram,que parte dos Indianos seriam brancos.

Brâmanes e as outras duas castas  - kṣatrya (guerreiros) e vaiśya (artesãos são brancos.

Ja percebeu que os judeus estão em todas.sempre contra os brancos,ou seriai mpressão minha??

RSS

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }