O Socialismo de Mercado seria hoje uma alternativa para o Capitalismo Neoliberal?

A alternativa ao capitalismo neoliberal seria um socialismo de mercado conseguindo pelos meios legais não por golpes gostaria de saber a opinião de vocês atenciosamente thiago

Exibições: 649

Responder esta

Respostas a este tópico

Históricamente, um desafio da crise do sistema, um legado que ameaça todo o mundo, a principal alternativa ao neoliberalismo seria mesmo num novo modelo político-economico, qual seria?
Enquanto houver correlações de forças, conflitos e guerras que seguem matando e destruindo, no plano ambiental, reverte-se o atual modelo de desenvolvimento e consumo industrial ou seguiremos ameaçando a sobrevivência.
Vejam a industria bélica jamais entra em crise, o sistema opera em favor dos poderosos de plantão.
abraços. Alcebíades
Existe o modelo da Escandinavia, e o modelo da Alemanha e do Japão, nos tres casos existe uma democracia com tres poderes independentes, liberdade de imprensa, liberdade política, e uma participação importante do Estado na organização das empresas, do Mercado. A Alemanha e o Japão tem resultados muito positivos com este modelo. A Alemanha, agora superada pela China, é o segundo maior exportador do mundo, e tem superavits constantes, o mesmo o Japão que com a aliança Estado-Indústria dominou vários segmentos de mercado, como eletroeletrônico e autos.
O modelo da China, ou o socialismo de mercado, de fato é uma Ditadura do PCC, com liberdade de funcionamento de empresas privadas, sob supervisão e autorização prévia do Estado chines. Num país com 1,3 bilhão de habitantes, e com uma história de autoritarismo, parece ser o modelo possível. Não existe liberdade de imprensa, e nem de pensamento, e trata-se de uma Ditadura do PCC. Modelo adequado a atual condição da China, e que pode ser copiado por países da Asia como Vietnã, e talvéz Coréia do Norte no futuro.
O melhor sistema - não fossem os seres humanos - seria o comunismo. Filosóficamente falando. Pois, como sistema em sí, é perfeito. Mas, como disse, ai entram as pessoas...Então, não existe sistema que funcione.
Nenhum sistema funciona, entre os sistemas conhecidos e aplicados até hoje. As economias são muito complexas. Cada país vive uma realidade. Mesmo com a abertura de mercado - onde se diz - o Mundo é uma empresa - não se consegue aplicar as mesmas regras. São culturas diferentes, mercados diferentes.
O capitalismo já mostrou toda sua fragilidade e poder destrutivel. É uma grande "bola de neve". Cresce rápido morro abaixo, mas derete mais rápido ainda, aos primeiros raios de sol.
Ainda não se inventou nada que consiga congregar o que é bom e expurgar o que é ruim dos sistemas. Fazer uma "vitamina" de sistemas. Não é só uma questão mercadológica ou financeira. É muito mais cultural do que qualquer outra coisa.
Reinaldo, Colegas,


A condição humana, a psicologia do ser humano é complexa, o Comunismo, em tese OK, não levou em consideração as questões emocionais, psicológicas. Simund Freud teria dito sobre a Revolução Russa, e a construção do novo homem: "eles não conhecem o ser humano, isto não vai dar certo" (a idéia era esta, não as palavras que cito de memória, sempre falha).
Todavia temos que escolher entre sistemas ruins o menos ruim, para mim o sistema que permite a iniciativa privada com forte controle do Estado, Escandinavia, Alemanha, Japão, são menos destrutivos que o sistema Anglo, Neoliberal, EUA e Grã Bretanha, que provou que é destrutivo, concentrador de renda, e que leva aos ologopólios, e a "lavagem cerebral", e ao consumismo desvairado.

Abraços,
Roberto
Se é uma alternativa eu não sei.
Agora, que é interessante ver a China abrir a economia e os EUA intervirem, é.


Sinceramente, não acho legal uma visão "oito ou oitenta". Você passa o dia inteiro com a casa trancada? Você deixa qualquer um entrar e fazer o que quiser?

Depende da situação. Comunismo e capitalismo estão nas prateleiras ao redor do mundo. Use conforme a necessidade.
Interessante, os EUA com a crise faz intervenções para evitar a queda do Mercado, segurando o mercado financeiro, ou seja, o Estado promovendo o equilíbrio. Não pode haver "estouro da boiada". Um país onde impera o Mercado, eis que o Estado injeta maciços recursos mantendo o equilíbrio do sistema.
.
Os EUA tem uma ampla classe media, é um país de classe media, ou seja, o bem estar está democratizado. O Estado e o Mercado casaram-se há muito tempo e sua relação é de interdependência. Sao indissociaveis, um nescessita do outro. Um socialismo de mercado fortalece o Estado e atrofia o Mercado.
Pensar em um sistema perfeito é como pensar em casar e nunca ter aborrecimento, porém é preciso fazer jús a quem disse que, não se conhece o homem por completo. Qualquer sistema que for implantado, dependendo da cultura predominante, os resultados serão distintos e sempre com grande porcentagem de resultado negativo, mas penso que o homem está atropelando algumas coisas que não deveriam como por exemplo achar que tudo se resolve com estudos científicos e por conta disso acaba indo longe demais. O mundo não pode ser globalizado e sem fronteiras, não tem como dar certo. Os homens de hoje são perigosos demais e a manifestação da crença em DEUS é só fachada.
Sim, mas todos os sistemas experimentados até hoje sempre veio com no mínimo 80% de coisas positivas e esse seria um sistema de talvez 90%, porém é preciso levar em conta as condições da cultura do povo de uma maneira geral, ainda não é possível por conta de que a fixa do homem ainda não caiu, e ele ainda não entendeu que existe algumas coisas que a ciência não resolveu e nem será capaz de resolver até porque ela o meio de estudo de quem? do homem.....
Teoricamente o chamado socialismo de mercado consiste em uma economia de mercado onde a regulação, orientação e iniciativa do Estado se sobrepõe à iniciativa privada.
.
O problema já apontado por Madison: precisamos eleger os representantes ou dirigentes do Estado. E ao mesmo tempo mantém-los sobre controle.
.
Como será possível, se nossos políticos tornam-se ricos do dia prá noite. Há desvios de toda ordem, vide o caso emblemático em Brasilia (governador Arruda).
Então, um socialismo de mercado terá seus burocratas. E o controle desses burocratas me parece ser o mais difícil.

Dinheiro lá é o que não falta, pelo que sei eles compraram mais de 40% de titulos da divida publica dos EEUU. Aquilo lá é um outro planeta, eles não precisam do resto do mundo para sobreviver e já provaram isto. E tornaram-se uma potencia, sem invadir qualquer outro pais no mundo, como foi o caso dos EEUU que é rico assaltando o petroleo dos paises arabes e assaltando o poder de todos os paises da America Latina e explorando suas riquezas e interferindo bruscamente nas regras de mercado por muitos anos. Somente agora recentemente com alguns paises sub-desenvolvidos (ou assim chamados, maldosamente por eles, para incutir um complexo de inferioridade) em que esses governos mais nacionalistas e de tendencia socialista, comos os da Bolivia, Venezuela, Brasil, Uruguai e juntando-se a isso, as medidas mais atras que a Europa tomou defensivamente (moeda euro) é que estamos vendo a estagnação de fato nos EEUU.

 

Portanto, quem precisa mesmo de uma reforma politica é o Tio Sam. Eles sim, precisam começar a trabalhar e produzir mais, ao invês de pensarem que o mundo vai continuar alimentando com juros altos o seu capital especulativo, vai continuar respeitando patentes, vai continuar pagando royalties e vai cair nessa burrice de expandir os sistemas parasitas do franshising

Não está me parecendo tão dificil na China, pois eles estão competindo com o mercado sem as manobras sujas do capitalismo selvagem que impera principalmente nos EEUJ, como monopolios, carteis, cobrança de royalties, patentes que duram 50, 100 anos. A China pelo que sei, ou pelo pouco que sei, não dá importância a essas restrições e acordos sujos, para explorar, manter preços e arrebenta com todo sistema fazendo uma competição de fato, expandindo o seu mercado de forma espetacular. A livre iniciativa em sua essencia mostra também um pouco de pureza e honestidade desde que se limite a obedecer de forma cega e correta as leis de procura e oferta. Partem talvez do único raciocinio lógico e racional: O Estado controla a produção para não ser nem menor e nem muito maior que a procura e obviamente tem um jogo de cintura para se adaptar às variantes, mas nunca permitindo excessos que provoquem desovas de estoques desornedados para levar à falencia o sistema, que no caso deles sendo mixto, se falhar pode ser tornar uma catastrofe. Parabéns a eles, que ao que parece de fato, não comem mesmo criancinhas e se trabalham para sobreviver. Simplesmente aceitaram a provocação no dia que o tanque teve que dançar na frente daquele estudante imbecil. Eram fechados. O tiro dos EEUU saiu pela culatra, cuspiram pra cima como se diz. Reclamamos do controle Estatal de paises socialistas e esquecemo-nos de que os paises mais capitalistas precisam de controles mais rígidos ainda por parte do Estado e isto já está ocorrendo pela falta de educação do nosso povo, somos obrigados a ler placas "Estacionamento para idoso" (uso obrigatório de cartão). Se você tiver muito dinheiro e for famoso, cuidado com os seus hábitos, não entre num elevador sozinho com uma outra pessoa e você pode ser processado por alguma coisa, sem nada ter feito. Estamos assistindo à ditadura das minorias ruidosas que fazem e modificam leis todos os dias e enfim, se um dia ironizamos a China porque lá todos se vestem de azul, hoje somos vitimas da moda que nos veste de azul (Jeans) mas com a desvantagem da roupa ser surrada e enfraquecida nas lavanderias ao ponto de nada durarem para satisfazer a ganância dos comerciantes que sobrevivem da vaidade, provocando um consumismo exagerado e fazendo a sociedade desperdiçar dinheiro com futilidades. Um sistema economico desses merece ir à falencia, merece ser soterrado já. A produção não pode ser em função da ganancia e desonestidade institucionalizada do comercio, mas sim, das necessidades reais do consumidor.

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

Cine História

Saint Laurent

Acaba de chegar aos cinemas o filme "Saint Laurent", de 

Sinopse: Entre os anos 1967 e 1976, o estilista Yves Saint-Laurent (Gaspard Ulliel) reinou sozinho no mundo da alta costura francesa. Esta biografia mostra o seu processo criativo, as fotografias e entrevistas polêmicas, a relação com o marido e empresário Pierre Berger (Jérémie Renier), os casos amorosos extra-conjugais e a relação com o álcool e as drogas, que quase destruíram o império da marca YSL.O avô húngaro de Alex Levy Heller, diretor e roteirista deste documentário, teria escondido um relógio Patek Philippe com seu irmão mais velho antes de ser preso no campo de concentração de Auschwitz. Na busca por esse objeto, Alex faz duas viagens: Uma até a Polônia - atual Romênia e a Israel - usando o relógio como pretexto para descobrir mais sobre a história da sobrevivência de sua família. Na outra, ele entrevista sobreviventes do Holocausto que vieram morar no Brasil, resgatando as memórias dos sobreviventes desse período negro da história

café história acadêmico

Arte: Leia, na íntegra e gratuitamente, o livro “A Era de Caravaggio.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }