O Socialismo de Mercado seria hoje uma alternativa para o Capitalismo Neoliberal?

A alternativa ao capitalismo neoliberal seria um socialismo de mercado conseguindo pelos meios legais não por golpes gostaria de saber a opinião de vocês atenciosamente thiago

Exibições: 626

Responder esta

Respostas a este tópico

Históricamente, um desafio da crise do sistema, um legado que ameaça todo o mundo, a principal alternativa ao neoliberalismo seria mesmo num novo modelo político-economico, qual seria?
Enquanto houver correlações de forças, conflitos e guerras que seguem matando e destruindo, no plano ambiental, reverte-se o atual modelo de desenvolvimento e consumo industrial ou seguiremos ameaçando a sobrevivência.
Vejam a industria bélica jamais entra em crise, o sistema opera em favor dos poderosos de plantão.
abraços. Alcebíades
Existe o modelo da Escandinavia, e o modelo da Alemanha e do Japão, nos tres casos existe uma democracia com tres poderes independentes, liberdade de imprensa, liberdade política, e uma participação importante do Estado na organização das empresas, do Mercado. A Alemanha e o Japão tem resultados muito positivos com este modelo. A Alemanha, agora superada pela China, é o segundo maior exportador do mundo, e tem superavits constantes, o mesmo o Japão que com a aliança Estado-Indústria dominou vários segmentos de mercado, como eletroeletrônico e autos.
O modelo da China, ou o socialismo de mercado, de fato é uma Ditadura do PCC, com liberdade de funcionamento de empresas privadas, sob supervisão e autorização prévia do Estado chines. Num país com 1,3 bilhão de habitantes, e com uma história de autoritarismo, parece ser o modelo possível. Não existe liberdade de imprensa, e nem de pensamento, e trata-se de uma Ditadura do PCC. Modelo adequado a atual condição da China, e que pode ser copiado por países da Asia como Vietnã, e talvéz Coréia do Norte no futuro.
O melhor sistema - não fossem os seres humanos - seria o comunismo. Filosóficamente falando. Pois, como sistema em sí, é perfeito. Mas, como disse, ai entram as pessoas...Então, não existe sistema que funcione.
Nenhum sistema funciona, entre os sistemas conhecidos e aplicados até hoje. As economias são muito complexas. Cada país vive uma realidade. Mesmo com a abertura de mercado - onde se diz - o Mundo é uma empresa - não se consegue aplicar as mesmas regras. São culturas diferentes, mercados diferentes.
O capitalismo já mostrou toda sua fragilidade e poder destrutivel. É uma grande "bola de neve". Cresce rápido morro abaixo, mas derete mais rápido ainda, aos primeiros raios de sol.
Ainda não se inventou nada que consiga congregar o que é bom e expurgar o que é ruim dos sistemas. Fazer uma "vitamina" de sistemas. Não é só uma questão mercadológica ou financeira. É muito mais cultural do que qualquer outra coisa.
Reinaldo, Colegas,


A condição humana, a psicologia do ser humano é complexa, o Comunismo, em tese OK, não levou em consideração as questões emocionais, psicológicas. Simund Freud teria dito sobre a Revolução Russa, e a construção do novo homem: "eles não conhecem o ser humano, isto não vai dar certo" (a idéia era esta, não as palavras que cito de memória, sempre falha).
Todavia temos que escolher entre sistemas ruins o menos ruim, para mim o sistema que permite a iniciativa privada com forte controle do Estado, Escandinavia, Alemanha, Japão, são menos destrutivos que o sistema Anglo, Neoliberal, EUA e Grã Bretanha, que provou que é destrutivo, concentrador de renda, e que leva aos ologopólios, e a "lavagem cerebral", e ao consumismo desvairado.

Abraços,
Roberto
Se é uma alternativa eu não sei.
Agora, que é interessante ver a China abrir a economia e os EUA intervirem, é.


Sinceramente, não acho legal uma visão "oito ou oitenta". Você passa o dia inteiro com a casa trancada? Você deixa qualquer um entrar e fazer o que quiser?

Depende da situação. Comunismo e capitalismo estão nas prateleiras ao redor do mundo. Use conforme a necessidade.
Interessante, os EUA com a crise faz intervenções para evitar a queda do Mercado, segurando o mercado financeiro, ou seja, o Estado promovendo o equilíbrio. Não pode haver "estouro da boiada". Um país onde impera o Mercado, eis que o Estado injeta maciços recursos mantendo o equilíbrio do sistema.
.
Os EUA tem uma ampla classe media, é um país de classe media, ou seja, o bem estar está democratizado. O Estado e o Mercado casaram-se há muito tempo e sua relação é de interdependência. Sao indissociaveis, um nescessita do outro. Um socialismo de mercado fortalece o Estado e atrofia o Mercado.
Pensar em um sistema perfeito é como pensar em casar e nunca ter aborrecimento, porém é preciso fazer jús a quem disse que, não se conhece o homem por completo. Qualquer sistema que for implantado, dependendo da cultura predominante, os resultados serão distintos e sempre com grande porcentagem de resultado negativo, mas penso que o homem está atropelando algumas coisas que não deveriam como por exemplo achar que tudo se resolve com estudos científicos e por conta disso acaba indo longe demais. O mundo não pode ser globalizado e sem fronteiras, não tem como dar certo. Os homens de hoje são perigosos demais e a manifestação da crença em DEUS é só fachada.
Sim, mas todos os sistemas experimentados até hoje sempre veio com no mínimo 80% de coisas positivas e esse seria um sistema de talvez 90%, porém é preciso levar em conta as condições da cultura do povo de uma maneira geral, ainda não é possível por conta de que a fixa do homem ainda não caiu, e ele ainda não entendeu que existe algumas coisas que a ciência não resolveu e nem será capaz de resolver até porque ela o meio de estudo de quem? do homem.....
Teoricamente o chamado socialismo de mercado consiste em uma economia de mercado onde a regulação, orientação e iniciativa do Estado se sobrepõe à iniciativa privada.
.
O problema já apontado por Madison: precisamos eleger os representantes ou dirigentes do Estado. E ao mesmo tempo mantém-los sobre controle.
.
Como será possível, se nossos políticos tornam-se ricos do dia prá noite. Há desvios de toda ordem, vide o caso emblemático em Brasilia (governador Arruda).
Então, um socialismo de mercado terá seus burocratas. E o controle desses burocratas me parece ser o mais difícil.

Dinheiro lá é o que não falta, pelo que sei eles compraram mais de 40% de titulos da divida publica dos EEUU. Aquilo lá é um outro planeta, eles não precisam do resto do mundo para sobreviver e já provaram isto. E tornaram-se uma potencia, sem invadir qualquer outro pais no mundo, como foi o caso dos EEUU que é rico assaltando o petroleo dos paises arabes e assaltando o poder de todos os paises da America Latina e explorando suas riquezas e interferindo bruscamente nas regras de mercado por muitos anos. Somente agora recentemente com alguns paises sub-desenvolvidos (ou assim chamados, maldosamente por eles, para incutir um complexo de inferioridade) em que esses governos mais nacionalistas e de tendencia socialista, comos os da Bolivia, Venezuela, Brasil, Uruguai e juntando-se a isso, as medidas mais atras que a Europa tomou defensivamente (moeda euro) é que estamos vendo a estagnação de fato nos EEUU.

 

Portanto, quem precisa mesmo de uma reforma politica é o Tio Sam. Eles sim, precisam começar a trabalhar e produzir mais, ao invês de pensarem que o mundo vai continuar alimentando com juros altos o seu capital especulativo, vai continuar respeitando patentes, vai continuar pagando royalties e vai cair nessa burrice de expandir os sistemas parasitas do franshising

Não está me parecendo tão dificil na China, pois eles estão competindo com o mercado sem as manobras sujas do capitalismo selvagem que impera principalmente nos EEUJ, como monopolios, carteis, cobrança de royalties, patentes que duram 50, 100 anos. A China pelo que sei, ou pelo pouco que sei, não dá importância a essas restrições e acordos sujos, para explorar, manter preços e arrebenta com todo sistema fazendo uma competição de fato, expandindo o seu mercado de forma espetacular. A livre iniciativa em sua essencia mostra também um pouco de pureza e honestidade desde que se limite a obedecer de forma cega e correta as leis de procura e oferta. Partem talvez do único raciocinio lógico e racional: O Estado controla a produção para não ser nem menor e nem muito maior que a procura e obviamente tem um jogo de cintura para se adaptar às variantes, mas nunca permitindo excessos que provoquem desovas de estoques desornedados para levar à falencia o sistema, que no caso deles sendo mixto, se falhar pode ser tornar uma catastrofe. Parabéns a eles, que ao que parece de fato, não comem mesmo criancinhas e se trabalham para sobreviver. Simplesmente aceitaram a provocação no dia que o tanque teve que dançar na frente daquele estudante imbecil. Eram fechados. O tiro dos EEUU saiu pela culatra, cuspiram pra cima como se diz. Reclamamos do controle Estatal de paises socialistas e esquecemo-nos de que os paises mais capitalistas precisam de controles mais rígidos ainda por parte do Estado e isto já está ocorrendo pela falta de educação do nosso povo, somos obrigados a ler placas "Estacionamento para idoso" (uso obrigatório de cartão). Se você tiver muito dinheiro e for famoso, cuidado com os seus hábitos, não entre num elevador sozinho com uma outra pessoa e você pode ser processado por alguma coisa, sem nada ter feito. Estamos assistindo à ditadura das minorias ruidosas que fazem e modificam leis todos os dias e enfim, se um dia ironizamos a China porque lá todos se vestem de azul, hoje somos vitimas da moda que nos veste de azul (Jeans) mas com a desvantagem da roupa ser surrada e enfraquecida nas lavanderias ao ponto de nada durarem para satisfazer a ganância dos comerciantes que sobrevivem da vaidade, provocando um consumismo exagerado e fazendo a sociedade desperdiçar dinheiro com futilidades. Um sistema economico desses merece ir à falencia, merece ser soterrado já. A produção não pode ser em função da ganancia e desonestidade institucionalizada do comercio, mas sim, das necessidades reais do consumidor.

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Era uma vez em Nova York

Acaba de chegar aos cinemas brasileiros o filme "Era uma vez em Nova York", do diretor James Gray ("Amantes", "Os Donos da Noite").

Sinopse: Em 1921, as irmãs polonesas Magda (Angela Sarafyan) e Ewa Cybulski (Marion Cotillard) partem em direção a Nova Iorque, em busca de uma vida melhor. Mas, assim que chegam, Magda fica doente e Ewa, sem ter a quem recorrer, acaba nas mãos do cafetão Bruno (Joaquin Phoenix), que a explora em uma rede de prostituição. A chegada de Orlando (Jeremy Renner), mágico e primo de Bruno, mostra um novo amor e um novo caminho para Ewa, mas o ciúme do cafetão acaba provocando uma tragédia.

café história acadêmico

Maquiavel: confira na íntegra a dissertação "O Fantasma de Maquiavel: Antimaquiavelismo e razão de Estado no pensamento político ibérico do século XVI", defendida por Bruno Silva de Souza, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }