O que significa dizer que a história está a serviço do esquecimento?

 essa afirmação está no texto A arte de inventar o passado ,de Durval  Albuquerque ,pag 61.

Exibições: 75

Responder esta

Respostas a este tópico

Tatielly,

Sem conhecer o livro em questão, diria que a afirmação tem a ver com o jogo entre memória e esquecimento de que se forma a história. É impossível lembrar tudo, e selecionar algumas coisas a serem lembradas implica selecionar outras, por exclusão, a serem esquecidas. Às vezes é um processo deliberado - como na construção de uma história nacional em que os episódios menos gloriosos são reformulados ou escanteados - e por outras nem tanto, mas ocorre assim mesmo.

Transformaram a história em algo chato, tedioso e pura decoreba.

E a história é desmentida a cada dia. Não dá para confiar nela.

A História como sujeito é uma coisa. Historiografia é outra coisa. História como ciências está sempre se renovando. Não li o texto em questão é é difícil formular algum juízo fora do contexto em que ele foi escrito. Recomendo que você coloque o texto para que possamos conhecê-lo. Mas eu provoco uma questão: o Brancaleone colocou: "transformaram a história em algo chato, tedioso e pura decoreba": Isso não é história. Isso é a disciplina de História ministrada na sala de aula. Ou então:"a história é desmentida a cada dia. Não dá prá confiar nela." Se você é historiador e não confia no que está escrito, faça sua própria busca da história verdadeira. Baseado na imparcialidade, na crítica dos documentos, nos novos achados, em uma metodologia que lhe garanta bons resultados e em uma perspicácia para enredar os fios soltos que você vai encontrando. Ainda assim, nada lhe garante que você chegou ao fato como ele ocorreu. Porque a subjetividade está inserida na caneta que escreve. Por isso o positivismo não deu certo. Ele queria uma história exata e não existe uma história exata. Pense num fato histórico: o 11 de setembro. Quantas variáveis estão no jogo? Os Estados Unidos tem sua versão.Os árabes tem a deles. Osama tinha a sua.A América Latina a sua, a Europa a sua. Podemos ter uma só? Seria o ideal se todos dissessem a verdade. Mas muitos mudarão os fatos. Veja a Guerra do Iraque. Os EUA queria guerrear e precisava de um motivo. Afirmou que havia armas de destruição letal escondidas no Iraque. Mentira? Verdade? Meia verdade? O fato é que a guerra aconteceu. Mas quem pode escrever essa história com todas as suas implicações? O que não significa dizer que vamos deixar de tentar. Mas documentos hoje escondidos poderão ser revelados amanhã, mudando a ótica de quem escreveu hoje baseado em outros documentos.

obrigada pessoal

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Violette

Chega aos cinemas brasileiros o drama franco-belga “Violette”, do diretor estreante Martin  Provst.

Sinopse: No início dos anos XX, a escritora Violette Leduc (Emmanuelle Devos) encontra a filósofa Simone de Beauvoir (Sandrine Kiberlain). Nasce entre as duas uma intensa amizade que dura toda a vida, ao passo que Simone encoraja Violette a escrever mais, expondo as suas dúvidas e medos, abordando todos os detalhes da intimidade feminina.

café história acadêmico

Guerra do Paraguai na literatura didática: Confira, na íntegra, a dissertação de mestrado  “A Guerra do Paraguai na Literatura Didática: um estudo comparativo”, do historiador André Mendes Salles (UFP). Clique aqui e leia.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }