O que deve ser abordado na primeira aula de história do ano letivo ?

Dica: cada um pode descrever a melhor estratégia segundo os anos escolares: do ensino fundamental ao universitário.

Tags: aula, de, educação, ensino, historia, professor, sala

Exibições: 14416

Responder esta

Respostas a este tópico

Gosto das apresentações, bastante informais. A idéia é deixar os alun@s se soltarem e botar a criatividade na sala de aula, para que ali represente um ambiente agradável. O respeito , a produção de qualidade vem com o tempo, com a conquista de todos. Acredito que o começo deva ser alegre e leve, deixando a responsabilidade com as notas e produção intelectual para o mundo e não para si próprio para um segundo momento, os meses a seguir. A educação está precisando muito disso, gente criativa, e ninguém melhor do que os menin@s!!!!!
Para a primeira aula de história além das apresentaçoes necessárias, penso que é importante o professor(a) deixar claro sua forma de trabalho. O colega Jean escreveu sobre (novas metodologias que a moçada gosta?), pois bem sou adepta de novos métodos educacionais desde que sejam bem trabalhados com o contexto social dos educandos. O objetivo é também aproximar cada vez mais a história da sua realidade e assim torná-la mais interessante. Atualmente temos tantos meios de fazer isso, (nossa querida tecnologia) porque não usar e ousar? Penso que a primeira aula tambem é uma primeira impressão, principalmente se voce nunca deu aula nesta escola. Então, deve ser elaborada com cautela. No mais, cada prof tem sua forma de fazer isso.
Oi, sou professora de História há algum tempo e sempre começo o ano letivo buscando conhecer meus alunos, seus nomes e um pouco de sua história pessoal. Assim, no primeiro dia eu faço uma dinâmica que consiste em formar uma grande roda e dar uns comandos para que se misturem e depoisseparo os alunos em duplas e oriento-os a contar a história de su nome, muitos nao sabem, outros ficam receosos, curiosos, riem, fazem gozações, mas se divertem, se descontraem e fica mais fácil associar o aluno ao seu nome através da sua fala. O interessante é que quem nao sabe faz a pesquisa e se interessa pelo assunto. Nao importa a turma, todos gostam, é importante nao forçar a barra de quem nao quer participar. Para fazer uma introdução à história faço uma tempestade cerebral peço que falem o que querem estudar e se for possível eu acrescento ao meu planejamento anual. E estudar, gente, o aluno percebe quando dominamos o assunto a ser trabalhado. Temos que nos preparar bem porque para dar uma boa aula não é preciso muita coisa.Basta você despertar no aluno o interesse pelo que está falando, relacione o que é conhecido com aquilo que ainda não faz parte de universo e faça-o gostar de história. Se preciso conte história. Obrigada pela atenção
Olá, Jane!

Usar a história pessoal é uma metodologia bastante interessante, pois é uma maneira de discutir os sentidos e os usos da história. Ajuda os professores a mostrarem aos alunos que a história é algo mais próximo deles que se poderia imaginar. abs!
Olha acho que nada de periodização, metodologia (no início) e etc, enfim essas coisas que sempre são ditas no primeiro dia de aula é que tornam o momento um pouco chato e cansativo.Penso que abordar o "Mito da Caverna" de Platão seria um excelente começo, mostrando bem essa função do conhecimento de libertar o indíviduo para enxergar melhor a realidade e ver o mundo com outros olhos, além de outras leituras que foram apreendidas no periodo de formação da faculdade, mostrando bem esse lado da essência(natureza) do conhecimento histórico.Elaborar perguntas como O que è História?, Para que serve?, O que o historiador "fabrica" ao fazer História? e outras mais..E outra muito importante trabalhar com imagens, muitas imagens, sobre os diversos períodos da História.É que o aluno possa saber realmente o que é História e a sua função na sociedade moderna.
O mito da caverna! Puxa, nunca tinha pensado nisso! Grande! Valeu pela dica...
Na minha participação gostaria mais de fazer uma pergunta. Como conciliar essas novas abordagens no ensino de História tratadas pelos colegas e a "imposição" de cumprir o currículo, os conteúdos, que a escola estabelece? Creio que estas amarras ainda são muito fortes pela cultura do "saber para o vestibular".
Abraço a todos e todas,
Hider.
Essa é uma belíssima pergunta, Hilder. E bem difícil também.

Implementar inovações em uma estrutura sempre vai ser uma ação traumática para nós, pobres mortais. Mas acredito que além de necessário, isso seja muito possível. Não tenho fórmulas mágicas, mas com certeza, seja lá o que o professor for tentar, ele precisa ter o apoio de três grupos: alunos, gestores escolares e pais. Acho que essa é um bom começo. O que você acha? abção!
Concordo contigo Bruno! No entanto, acredito que o "ganhar" os alunos é ganhar seus pais, principalmente se o trabalho for sentido como um melhoramento dos alunos e alunas nas suas condutas educativas e nas suas ações como cidadãos (direitos, deveres, responsabilidades). Como diz Paulo Freire: "A gente só aprende aquilo que dá prazer" e esses novos métodos de ensino de História tem tudo pra dá certo: tirando o aluno do papel de "recipiente" e transformá-lo em participante ativo (protagonista) do seu próprio conhecimento, sendo mais participativo, expondo suas ideias, dando-lhes o sentimento de que também são eles os fazedores da História. Nesse sentido, na busca de desenvolver as competências e habilidades orientadas pela LDB, os alunos podem render muito mais quando veem na disciplina História um trampolim para as suas conquistas e formações pessoais e coletivas. Isso demanda tempo, este é o meu receio (pelo espírito imediatista das instituições) de que a Direção possa cobrar a este professor. Mas, concordo contigo, é preciso enfrentar alguns conflitos para transformarmos a História em uma disciplina de função essencial, como é, na compreensão dos alunos sobre a sociedade como uma construção histórica da qual eles fazem parte ativa.
Forte abraço,
Hider.
Penso que toda inovação deve vir ancorada com nossa responsabilidade em transmitir aos alunos aquilo que nossa geração já conseguiu fazer e oferecer-lhes a liberdade de criar o novo por si próprios.
É difícil encontrar o equilíbrio aí. Mas junto com eles é possível construir, aos poucos, algo diferente.
Estou adorando essa discussão!!

Abçs
O primeiro dia de aula para mim é algo especial, além das tarefas de protocolo, saber nomes, conteúdos e etc... acho que é um momento para refletirmos com os alunos sobre a importância não de saber história, mas de compreender o processo histórico através de várias visões, e concordando com o Leandro, o MIto da Caverna é um bom inicio, desde que com alunos mais avançados, para as turmas de 5ª, eu recomendaria um mix falando sobre o fim dos dinossauros (eu sei que isso é paleontologia, não história) e o inicio da vida humana, sua diferença de tempo, o que aconteceu, isso normalmente deixa-os muito inspirados. Na maioria dos casos, eles não compreendem que ambos não conviveram ao mesmo tempo, além de que ficam maravilhados de como o homem chegou a sua condição atual e como ele evoluiu.
Realmente a primeira aula é um dos grandes momentos para conquistar a sala....Ouvi certa vez que os 30 primeiros segundos são indispensáveis para que o aluno crie suas expectativas em relação à aula. Tento ser o mais próximo deles possível. Quebrar os mitos de "matéria decorativa" e mostrar serviço. Nada de algo ditatorial, utilizo um pouco dos termos que são utilizados por eles.
Mostro que a disciplina está mais intríseca ao mundo deles do que eles imaginam.

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

História do Brasil contemporâneo: Confira na íntegra a tese de doutorado "De Sarney a Collor: reformas políticas, democratização e crise (1985-1990)", defendida por David Maciel em 2010, na Universidade Federal de Goiás. Clique na imagem.

Cine História

Boa sorte

Está em cartaz nos cinemas nacionais o filme brasileiro "Boa sorte", dirigido por Carolina Jabor e com Deborah Secco no elenco. 

Sinopse: O adolescente João (João Pedro Zappa) tem uma série de problemas comportamentais: ele é ignorado pelos pais e se torna agressivo com os amigos de escola. Quando é diagnosticado com depressão, seus familiares decidem interná-lo em uma clínica psiquiátrica. No local, ele conhece Judite (Deborah Secco), paciente HIV positivo e dependente química, em fase terminal. Apesar do ambiente hostil, os dois se apaixonam e iniciam um romance. Mas Judite tem medo que a sua morte abale a saúde de João.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }