O Café História mudou de endereço, plataforma e identidade visual. Clique aqui para conhecer o novo Café História. Nós deixamos de ser uma rede social e somos agora um portal totalmente voltado para a divulgação de história. Nossa principal missão é divulgar o conhecimento histórico produzido nas universidades: para o grande público e para o meio acadêmico. Para entender melhor a mudança, clique aqui. E atenção: o antigo Café História (www.cafehistoria.ning.com) permanecerá online somente até o dia 2 de abril de 2017. Depois disso, todo o seu conteúdo será apagado, inclusive perfis e blogs. Tem algum conteúdo que você queira salvar e não sabe como? Nós temos uma sugestão. Clique aqui e leia o texto até o final. Esperamos contar com você como leitor do novo Café História!

Assine o novo Boletim Café História - receba em seu e-mail nossas novidades

Toda semana nós enviamos um e-mail com as novidades no campo da história e ciências humanas. Quer receber o nosso Boletim Café História? É bem fácil!

Na sua opinião, qual a maior contribuição de Thomas Skidmore a historiografia brasileira?

Seja bem-vindo(a) e obrigado por participar do fórum!

Exibições: 221

Responder esta

Respostas a este tópico

Fundamental à compreensão sobre o pensamento racial brasileiro, já que desenvolveu um estudo sistemático a respeito das base ideológica que vai do surgimento ao fortalecimento do racismo no Brasil.

Verdade, Luciana. Acho "Preto no Branco" uma pedra angular no debate racial no Brasil. Aliás, a Cia das Letras disponibiliza um trecho do livro: http://www.companhiadasletras.com.br/trechos/13014.pdf

Ótima opinião, concordo plenamente. Depois que li "Preto no Branco" me apaixonei mais ainda pela história. Skidmore continuará sendo o simbolo do brasilianista além das bordas do Brasil. Abraço a todos.

Eu só li "Preto no Branco. Raça e Nacionalidade no pensamento Brasileiro". Este livro tem uma curiosidade. Gobineau, o primeiro teórico do racismo científico (se é possível falar em ciência neste caso), viu o Carnaval carioca e detestou: Pareceu-lhe uma triste festa de pardos e pretos. "Olha a Beija-Flor aí gente!!!!!"

Verdade, Reinaldo. Gobineau acreditava que o Brasil estava fadado ao fracasso. Mas a elite brasileira formulou um futuro possível: o branqueamento, uma vertente racista específica de nosso país. 

Li apenas "Brasil: de Getúlio a Castelo", nos anos 70. Li de cabo a rabo e gostei muito. Era livro citado na sala de aula, pelos professores. Mas não era a história política que meus colegas e eu gostávamos mais. No entanto, tornou-se uma das nossas referências. Na edição que li, ainda havia o apêndice onde o autor sustentava a ideia de que os Estados Unidos não influíram na derrubada de João Goulart. Não sei se este anexo ainda aparece nas edições atuais. Ninguém levava a sério essa opinião do autor (quanto a não participação dos EUA), mas isso não desacreditava a sua obra. Apenas indicava os seus limites. Um entendimento da história brasileira por um brasilianista, uma abordagem séria, confiável, mas que livrava a cara dos norte-americanos em relação às nossas mazelas: a ditadura militar. 

RSS

Boletim Café História

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }