“O trabalho não produz a mais-valia, mas o preço de seu  trabalho está determinado pelo valor de sua força de trabalho, isto é, pelo que custa produzi-la”

Neste ponto do raciocínio, o próprio Marx percebe a dificuldade, mas não procura resolvê-la. Por que , afinal, o trabalhador comercial não é produtor de mais-valia, como o trabalhador industrial, de acordo com a teoria geral o valor da força de trabalho? É que a diferença fundamental entre o trabalhador industrial e o trabalhador comercial está ligada a uma outra ideia,  mas implícita do que explícita em O Capital, de que o verdadeiro trabalho é somente aquele em relação com os dados materiais, com a natureza, servindo todo o restante apenas para a realização da mais-valia.

Raymond Aron 

Exibições: 60

Responder esta

café história acadêmico

Lançamento: A 13ª Edição da Revista Ars Histórica está no ar cheia de novidades. Nesta edição, os leitores encontrarão o dossiê "Império Português em Perspectiva: Sociedade, Cultura e Administração (XVI-XIX)" apresentado pelo Prof. Dr. Antonio Carlos Jucá, PPGHIS-UFRJ. Clique aqui para conferir na íntegra.

bibliografia comentada

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. cafehistoria@gmail.com

dicas de dezembro

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }