Livro de Mario Schmidt - "Nova História Crítica" - Qual a sua opinião sobre a polêmica?

não sei se todos aqui ficaram a par do "imbroglio" envolvendo o jornalista Ali Kamel e o autor do Nova História Crítica, Mario Schimdt - lembro que fiquei bastante indignado com o ocorrido porque, apesar de suas falhas (que, aliás, todo livro didático possui), o Nova História Crítica foi o melhor livro didático de História que usei em sala. Sem dúvida, porque suas evidentes qualidades superam seus poucos defeitos. Então, colegas... o que vocês acham, não tanto da discussão sobre as motivações da reportagem de Kamel, que parecem já superadas e com motivações claras, mas do livro em si? gostam? por quê? odeiam? por quê?

Exibições: 8107

Responder esta

Respostas a este tópico

quais as falhas do livro?????
Abraço
Acho que as "falhas" eram justamente apontar com veemência as atitudes antiéticas das elites dominantes durante o decorrer da história...
Como eu disse antes, não existe livro didático perfeito. Até os melhores, no decorrer do ano letivo, demonstram suas deficiências. Em minha modesta opinião - e de colegas com quem convivi - , as principais falhas do Nova História Crítica ocorrem no volume dedicado à antiga 5a série, atual 6o ano, embora ao menos uma delas se repita por toda a série. São várias, mas vou citar só algumas:

1 - os exercícios, principalmente os dos textos complementares, são de um nível de complexidade às vezes estratosférico, principalmente para alunos da rede pública do Rio de Janeiro, para os quais leciono. Um pouco mais de simplicidade - o que não quer dizer tornar os exercícios simplórios - cairia bem.

2 - todo o capítulo sobre Cristianismo, pra mim, é um equívoco. Nesse capítulo fica claro que o Schimdt deixa a impacialidade de lado e faz uma autêntica "profissão de fé" cristã. Quero deixar claro que sou cristão, também, embora não filiado a qualquer igreja formal, mas aquele capítulo deveria ser reescrito ou suprimido. Curioso que esse capítulo não tenha sido citado por Ali Kamel.

3 - a linguagem do livro, às vezes, em seu esforço para ser popular, torna-se coloquial demais e se aproxima do tatibitate. Lembro bem do capítulo sobre 1a Guerra Mundial, naquela parte sobre os cartões dados pelos soldados às namoradas... chega a ser constrangedor...
Em que pesem todos esse fatores, reafirmo que o Nova História Crítica foi o melhor livro de História que já usei.
Eu achava o livro Nova História Crítica o melhor livro didático de história. Agora que fiquei sabendo que um dos chefões da Globo está preocupado com o livro, passei a achar melhor ainda.
Concordo plenamente.Alias adoro as partes do livro que criticam claramente as elites dominantes, em especial o Nova Historia Critica do ensino medio que mostra o claro apoio da Rede Globo aos golpistas da ditadura.
e voce chegou a usar o livro em sala de aula, Samanta?
Sim. Como aluna. Fiquei encantada com o livro,pois nunca tinha tido acesso a um livro com esse nivel de critica.Passei no vestibular pra historia na Universidade Federal de Juiz de FORA, e as aulas so começam no segundo semestre. Estou anciosa. Quero me formar logo e quando estiver dando aulas quero este tipo de livro pros meus alunos. Pra ensinar historia e fazer a diferença, os alunos precisam aprender a serem criticos. E e este e o livro ideal na minha opiniao.
rss concordo com voce, Samanta e seja bem vinda à História!!! se precisar de ajuda, conte comigo!
Muito obrigada.
Eu adoroooo todos os livros do Mario Schimdt e na minha opinião são livros assim que ajudam o professor a despertar o interresse do aluno, pois envolvem não só acontecimentos políticos, mas arte o que aproxima e amplia a visão dos alunos.
Utilizei a coleção História Crítica em meu primeiro estágio, no ano passado, com turmas de 8ª série e com certeza essa referência foi de grande valia.
sem duvida, Damáris... quando usei o livro do Mario, lembro bem que era o livro didático do qual os alunos mais gostavam: sua parte gráfica é realmente deslumbrante! eles ficavam horas folheando o livro, vendo as gravuras maravilhosas, as fotos... e, quase sem perceber, iam, alguns, tomando gosto pela História...
O melhor livro didático que já usei em sala de aula foi "História das Sociedades", de Aquino, Denize e Oscar (Ed. Ao Livro Técnico, edição de 1980). Sem nenhum demérito à obra de Schimdt, se eu voltasse à sala de aula, tornaria a usar o livro de Aquino, desde que não fosse impedido de fazê-lo, haja vista a tutela federal sobre o ensino da História.

No tocante ao trato do Cristianismo, também reputo a abordagem de Schimdt proselitista.

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

café história acadêmico

FIFA: Na última semana, o escândalo envolvendo a FIFA, entidade máxima do futebol, ganhou o noticiário internacional. Neste sentido, o Café História sugere a leitura da tese de doutoado de Sérgio Settani Giglio, da USP, intitulada "COI x FIFA: a história política do futebol nos jogos olímpicos". Esta tese, segundo o autor, trata da constituição do campo esportivo (BOURDIEU, 1983) do futebol nos Jogos Olímpicos. Clique aqui para conferir. 

bibliografia comentada

Cine História

Crimes Ocultos

Está em cartaz nos cinemas brasileiros o filme “Crimes Ocultos”, do diretor Daniel Espinosa ( “Protegendo o Inimigo”). O filme, que é uma produção entre Estados Unidos, República Tcheca, Reino Unido e Romênia, traz no elenco nomes como Tom Hardy e Gary Oldman.  

Sinopse: Durante o governo stalinista na União Europeia, um oficial da segurança ouve falar de um país onde o número de assassinatos de crianças é muito alto, a ponto de se considerar a existência de um serial killer. O Estado não quer saber do caso, que pode ter conexões com altos funcionários do governo, e exila o oficial para que ele não possa prosseguir com a análise dos fatos. No entanto, este homem obstinado decide chamar a sua esposa para investigarem o caso por conta própria.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2015   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }