História da África na Sala de Aula para os Ensinos Fundamental II e Médio

A Lei n.º 10.639/2003 determina a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana nos currículos escolares.
Contudo, ainda temos muita dificuldade em introduzí-la na sala de aula e ainda há grande escassez de material didático e os de estudo ainda não foram muito difundidos.
Por isso, estou criando este tópico com a finalidade de discutirmos esse tema. Traga ideias sobre os diferentes usos que podemos ter, planos de aulas para sociabilizarmos com os nossos colegas, referências bibliográficas, etc...

Tags: Ensino Fundamental II, Ensino Médio, Plano de aula, Sala de aula

Exibições: 4278

Responder esta

Respostas a este tópico

Olá Alessandra!

Tudo bem?

Ótima tema mesmo! Sua contribuição é muito bem-vinda!

Mas sobre esse tema, temos um tópico idêntico: http://cafehistoria.ning.com/forum/topics/a-historia-da-africa-e-os

Dê uma olhadinha lá! Agaurdamos sua participação!!

abração!

Bruno Leal
A introdução do ensino da cultura afro-brasileira no curriculo escolar, é tão importante quanto os estudos da cultura européia no desenvolvimento da nossa sociedade. O problema no desenvolvimento deste campo especifico da historia, é justamente a falta de concientização, muitas vezes até mesmo dos professores, que o estudo da cultura africana tem um papel estremante significativo, até mesmo na nossa identidade como povo e cultura.
É preciso aproximar os estudantes da cultura africana, faze-los entender que essa cultura que aparenta ser tão distante, e indiferente, na verdade é o embriao da nossa propria cultura, da nossa propria identidade como povo.
Do meu ponto de vista o maior problema, nao só do ensino da cultura afro-brasileira, mas tambem de varios campos da historia, é a distancia que os estudantes acabam por criar entre os eventos historicos e nossos dias atuais.
Faze-los entender que tudo, está de alguma forma interligado, e que estes elementos estando de varias formas interligados tem um peso muito forte na nossa vida diaria, ira com certeza aproxima-los ainda mais deste novo campo de estudo.
cara ALESSANDRA :
Apesar da lei 10.639 já ter completado sete anos de existência, a sua efetivação ainda é bastante tímida.O viés eurocêntrico dos currículos escolares, a ideologia da democracia racial , a resistência de professores e gestores escolares a inclusão destas temáticas no sistema de ensino brasileiro.Sou professor de história , chefe de um a família multiracial, minha companheira(eduacadora também)é afrodescendente, minha filhinha traz plamada em seu biotipo e na sua subjetividade , a herança das duas histórias familiares.Dito isto , a escola que foi umainstituição que durante tanto tempo foi uma aparelho de propagação do ideário racista, tem o dever moral e o compromisso ético de promover a reflexão acerca das desigualdades sócioraciais que ainda permeiam o nosso tecido social.Estou atuando em uma cooperativa educacional aqui em PORTO ALEGRE ,e estamos justamente empenhados em dar vida à lei através da inserção de uma atividade interdisciplinar que será incluída na programação de uma mostra científica e cultural que ocorrerá no dia 20 de novembro.Como parceiros, conto com uma colega da área de literatura e outro da educação artística.Durante muito tempo a historiografia gaúcha subestimou a contribuição negra na formação da sociedade riograndense, mas hoje em dia existam várias produções acadêmicas atestando a pujança do negro em nosso meio.Sabemos que a lei não foi uma dádiva do estado , mas uma conquista histórica do movimento negro que remonta aos anos cinquenta do século passado.Os avanços devem-se muito ao comprometimento dos educadores e militantes sociais. abraços e boa luta para você
Canções são ferramentas importantes de aprendizagem, no caso do ensino de História da África, ou dos africanos no Brasil há uma produção musical bastante profícua. Sugiro só pra começar a música "Negro Rei" (Cidade Negra), até pra contextualizar a condição do africano no período colonial e imperial para além daquela ideia clássica que foi veiculada por muitos anos na escola, do africano como escravo e ponto, o africano foi e é muito mais que isso, muitos eram reis em seus países de origem quando foram trazidos ao Brasil para se constituírem em animais de carga.
Olá Alessandra

Leia estes artigos sobre o ensino de História da África, usei ele na cadeira que estou fazendo na faculdade e este foi o primeiro assunto a ser discutido, o de como ensinar a História da África nos bancos escolares. Além destes, te envio outros sobre o assunto.

Espero que te ajude!
Anexos
Mais material.

Nunca se esqueça; Falar de África não pressupõe unidade, mas sim, diversidade!
Anexos
Mais material
Anexos
Mais material
Anexos
Natalia, muito obrigada por colocar aqui estes textos, estou estudando Africa , e foi de muita valia estes textos que deixou aqui. Continue nos ajudando, por favor. Muito obrigada! Abraços.
Mais material
Anexos
Mais material
Anexos
Mais material
Anexos

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Relatos Selvagens

Acaba de chegar aos cinemas brasileiras a produção argentina “Relatos Selvagens”, dirigida por Damián Szifron e com Ricardo Darín como protagonista.

Sinopse: Diante de uma realidade crua e imprevisível, os personagens deste filme caminham sobre a linha tênue que separa a civilização da barbárie. Uma traição amorosa, o retorno do passado, uma tragédia ou mesmo a violência de um pequeno detalhe cotidiano são capazes de empurrar estes personagens para um lugar fora de controle.

café história acadêmico

Revolução Mexicana: confira, na íntegra, o artigo “A Revolução na encruzilhada: uma análise da arte revolucionário do muralismo mexicano a partir da imagem: “O Homem Controlador do Universo”, de Diego Rivera, do historiador Rafael Hansen Quinsani, da UFRGS. 

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }