Como lidar com a questão do bullying escolar? Você já presenciou situações de bullying?

Participe dando a sua opinião.

Tags: bullying, educação, ensino, escola

Exibições: 1934

Responder esta

Respostas a este tópico

Para evitarmos esse problema do Bullying seria tentar conscientizar a população de que não existe um padrão comum de vida. Ai é que está a grande diferença.
Concordo contigo Breno, entre muitas outras formas de explorar a questão, o fato de darmos visibilidade ao caráter de constructo das palavras que se materializam em atos, gestos, ditos e não ditos levaria a uma reflexão de si. Quebrar esse fetiche da cultura de passar-se por natural, questionar inclusive o que é banal e colocado como dado... deslocando-nos do lugar, nos permitindo perceber que ESTAMOS moventes, abertos, híbridos... Faz sim a diferença, dirá talvez surte um EFEITO de modificação das formas de se vê, dizer e experienciar "Bullying".
O bullying não resulta em sofrimento quando a reação do educador é imediata e capaz de gerar uma transferência em que tanto o agressor e a vitíma possam perceber os seus papéis complementares. O que demais encolhe-se fica numa postura tímida diante da vida. Sua sensibilidade diante das circunstâncias é sempre uma fragilidade que deve ser explorada e massacrada para alimentar o prazer mórbido da maioria por ver cenas de humilhação, atitudes excludentes e violências de ações fisícas ou simbólicas. O agressor é o resultado de um ambiente familiar destrutivo e incapaz de gerar ações solidárias e respeitosas. Geralmente em situações de conflitos tudo é resolvido de modo violento, passional com discursos ofensivos e que deixam marcas emocionais. Os jovens mais ousados passam a entender que para ter o respeito é aliviar suas tensões deve ser arrogante e ciníco para ganhar o respeito da maioria por meio do medo e da violência. O problema que vejo é que os bonzinhos podem reagir oriundos de famílias supostamente equilibradas. Controle excessivo de emoções pode levar a explosão de raiva e incapacidade de lidar com perdas, frustrações e limites.  O caso em S. Caetano em SP, e o indicativo que a mente humana é uma caixa de surpresa. Os mais quietos e obedientes ao ponto da subserviência são capazes de atos de loucura. Boas notas e educação não são sinôminos de capacidade de autocontrole e discernimento. Estes são construídos com situações limites em que os conflitos são expostos e as raivas podem ser expressas em palavras. Quando o educando é por demais correto e contido. Um sinal de alerta deve ser acesso. Porque deve ter-se um espaço para que os conflitos possam vir a tona. Caso sejam reprimidos no nascedouro por atos de contenção contínua criam uma predisposição a fantasia pela solução imediata. Ou seja, uma bronca que um aluno bagunceiro suporta. O que é muito reservado e bom exemplo pode não aguentar pois o erro é algo que não existe e seu universo. Portanto não consegue interpretar sinais simples de severidade que são compreendidos como reprovação é  ofensa enorme. Todas as possivéis respostas para essa situação de toda a legião Psi - psicológos, psiquiatras, psicopedagogos e outros serão sempre conjecturas sobre algo em que a solução para essa pergunta está encerrada num corpo sem vida de um garoto de 10 anos.   
É sempre uma situação difícil,já sofri quando estudante e agora enquanto professora já presenciei algumas vezes, procuro não jogar toda a responsabilidade na direção ou na familia, procuro orientar meus alunos do grande mal que ele pode causar com esse tipo de agressão, conversar é sempre o melhor caminho!!!
Penso que a atitudes importantes nestes casos de bullying que está se tornando costumerio nas escolas do Brasil, tanto violência entre os proprios alunos e entre alunos e professores, o comum nestes casos é  aa atuação apenas da policia e a escola não cria uma discussão sobre o assunto, penso que o ideal do nucleo e dos professores seria o enfretamento do problemas, não podemos fungir dos fatos que estão acontecendo, não podemos nos prender em nossos medos, furgir das situações. Então num primeiro momento devemos confrontar os envolvidos na caso, o agresso e o agredido, caro que a policia e os orgãos competentes devem assim dentro de sua juridição e a escola faz a sua ação pedagogica, conversar com o aluno, criação de formações, debates e discussões é o caminho ideial para o termino ou amenização destes problemas , que acho que está aumentado por que temos uma cultura de não enfretar e dsicutir os problemas achamos melhor colocar debaixo do tapete.
esta questão esta envolvida principalmente nos conflitos familiares que os alunos trazem de casa,isto filtra principalmente na rede publica  na escola recebe e nao possui instrumentos para domer esta rebeldia este e problema que as autoridades figuem não existir

A grande questão é responsabilizar ou como responsabilizar.

Uma brincadeira ou piada é impossível de ser controlada. Porém, o Bullyng é agressão diferente, pensada e com intuitos claros que extrapolam a simples brincadeira.

 

Eu, como professor, por mais que seja recriminado por isso, acredito sim em medidas firmes e exemplares contra o bullyng. Advertência chamando os pais desde a primeira vez, afastamento do aluno (Mas sendo enviado trabalhos e deveres escolares) e mesmo transferência de unidade explicitando a ele o motivo. Essa de que "crianças" não sabem o que fazem é conversa demagógica de psicólogos.

O bullying ganhou grandes proporções tornou-se algo "comum" ja passei por ele quando criança me sentia me excluìda por meus coleguinhas de classes, vejo  ainda que apesar de todas as campanhas contra esse ato que tanto assola jovens crianças até mesmo adultos ,tem se muito a trabalhar para conscientizar nossas crianças que isso e uma discriminação que deve ser aniquilada.

  Não  posso concordar com  educadores brasileiros que pensam estar na América do Norte e insistem em 

  discutir temas antigos como se fossem novos, só que travestidos  com termos ingleses. Por favor senhores

   respeitem o trabalho dos nossos lexigógrafos, é por nossas crianças que estas pessoas trabalham. Paremos 

   com esta coisa de inserir termos estrangeiros em nossas conversas, principalmente em discussões que  te-

   nham  enfoque pedagógico, afinal nossa língua mãe é muito mais rica. "Birra, Rixa , Pinima, Pinimba......

Bullying? Palavra triste nos dias atuais, mas da qual não podemos e não devemos fugir.Entendo que bullying deve ser tratado primeiramente em família, onde os pais devem aprimorar a vida com bons hábitos para que dali a criança saia para a vida externa com boa educação e personalidade forte, sabendo respeitar-se e respeitar os outros, sejam eles quem forem; a segunda parte deve ser a interna de cada escola, os diretores devem manter a escola "limpa" de precoceitos, participar do  recreio das crianças de forma a demonstrar que todos são iguais e incentivar a participação de todos,igualmente nas salas de aula cada professor deve ter o seu papel realçando a necessidade de cada um respeitar o seu colega.Ao menor sinal de bullying as pessoas envolvidas devem ser chamadas e tomadas as providências necessárias, tanto com o agressor, quanto com a vítima, visando eliminar o rancor que pode permenecer e depois trazer graves consequências.Não é preciso falar que depois de ocorrida a tragédia, nadaa mais adianta.O bullying é triste e vamos acabar com essa tragédia brasileira.Resta-me observar que bullying é antigo, eu mesmo já o sofri nos idos de 1960.

Infelizmente como ainda temos o desprazer de presenciar tamanha ignorancia, contudo, cabe-nos semear de grão a grão para que possamos transformar o modo de ver o outro em nossos alunos.

Em pleno século 21, vimos que o principal problema que a educação brasileira é sobre algo uma prática muito antiga, mas que só agora ganhou uma forte dimensão por influencia das campanhas de combate, o negócio é dificil, mas não impossivel. Existe pessoas que lidam com bullying de diferentes maneiras, há os que ignoram os apelidos que recebem e nem ligam, levam numa boa e há os que se incomodam e carregam isso para sempre. Eu sei disso do que estou falando, porque faço parte do segundo caso, sofri os mais diferentes tipos, desde do fato de eu ser gordo, desde minha dificuldade de interação social, até mesmo o fato de eu ter ficado num nivel escolar atrasado com relação a minha idade, teve quando estive repetente na Primeira Série do Ensino Infantil, que um grupinho de coleguinhas chegou para mim e me perguntou quantos anos eu tinha, e quando eu respondi que tinha 10, eles vieram com o comentário de dizer que na idade em que eu estava eu ficaria velho e não terminaria a Primeira Série nunca. Mas depois de passados muito tempo desse episódio tá aqui eu já terminei o meu ensino universitário, coisa que eu acho que a maioria desses meus coleguinhas não devem nem ter chegado a isso. Vez por outra eu sofro algumas pertubações quando lembro de uma vez que foi usando cinto na minha calça jeans, um colega me enchia o saco chamando-me de cintinha de águia. Eu confesso que em muitas dessas situações eu não contava para ninguém, nem mesmo para os meus pais, porque eu tinha uma mania de querer mostrar valentia, na agressão fisica ou mesmo verbal, e vez por outra eu carrego umas lembranças daquelas situações, isso porque eu tinha medo de sofrer represálias dos colegas, um medo psicologico, que aos poucos eu vou tentando superar.

RSS

Links Patrocinados

EVENTO EM DESTAQUE

Cine História

Uma promessa

Está em cartaz nos cinemas brasileiros o filme franco-belga "Uma promessa", de Patrice Leconte. 

Sinopse: Alemanha, 1912.  Um jovem diplomata (Richard Madden) ingressa no serviço administrativo de uma usina siderúrgica. Por conta do seu bom trabalho, seu patrão (Alan Rickman) o contrata para o posto de secretário particular. Conforme os dias passam, ele conhece e se aproxima da esposa (Rebecca Hall) do chefe, apaixonando-se perdidamente por ela. Ele recebe a missão de ir ao México repentinamente e, ao anunciar sua partida, a mulher entra em desespero, realizando que ambos se amam. Sendo assim, fazem uma promessa de amor: um dia ele irá retornar e os dois finalmente ficarão juntos.

café história acadêmico

Arte: Leia, na íntegra e gratuitamente, o livro “A Era de Caravaggio.

Parceiros


Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }