Como fazer para selecionar os eventos mais relevantes ao contextualizar o evento histórico estudado?

Afinal, na História a ordem dos fatores altera o produto, neste caso o produto é escolhido anteriormente!

Exibições: 82

Responder esta

Respostas a este tópico

Não sei se entendi tua pergunta corretamente, o produto é o evento histórico estudado e os fatores e suas ordens são os eventos com os quais podemos contextualizar. É isso? Vejamos, então, a partir de exemplos: a teocracia no Egito Antigo, o faraó personificava um deus, Hórus, podemos contextualizar com um Estado teocrático atual, onde o rei também personifica deus, assim, podemos nos apropriar do Estado do Vaticano que é uma monarquia teocrática e aproveitar a eleição recente. Outro exemplo, a lei do Ostracismo em Atenas, cujo significado era o banimento sociopolítico de quem cometia crimes contra a democracia, aí, posso usar o exemplo dos políticos cassados por crimes políticos, pode-se usar o presidente Collor como exemplo, assim, aproximamos o estudante de um evento que é mais atual para ele entender o evento  que está sendo analisado. 

Opa, obrigado por comentares a partir destes meus questionamentos, Semiramis. O que são os fatores e o produto tu acertou! Eu, porém, não pensava em fazer história comparada, mas não deixei isso bem claro no enunciado! Tentarei ser um pouco mais claro, com um exemplo. Eu quero fazer uma pesquisa sobre a Alemanha nazista, como saber quais os fatos anteriores ao advento deste fascismo, que melhor o explicariam? Se lermos livros diferentes veremos que as escolhas são diversas, para explicar um mesmo fato! Como saber quais os fatos anteriores deveriam ser descartados, como tentar fugir na influência malévola da nossa ideologia?

Professor. Sobre o exemplo da Alemanha Nazista, pensemos   o seguinte: há na Europa e nos países que estiveram presentes na  Primeira Guerra Mundial, uma grande crise econômico-financeira, digamos que os EUA, são uma exceção. A crise é a do pós-guerra, há fome, desemprego e há a vitória no processo revolucionário socialista na Rússia, o que determinará a irradiação desta ideologia por todo o mundo. Na Itália e na Alemanha, há um contínuo processo de proletarização da sociedade e a recessão é muito grande, e sabemos que nos anos vintes, o Fascismo ascendeu em 1922, após a Marcha sobre Roma, e o contexto social e trabalhista neste país era arrasador, e o rei Vitor Emanuel não apresentava soluções para as greves e para a fome, e que foram apresentadas pelo partido fascista. Daí, usando recursos como o terror dos camisas negras, Mussolini assume a função de chanceler. Após isso, o partido comunista mesmo e plena ascensão, passa a ser o alvo de Mussolini, daí, os grupos conservadores  passam a apoiar o Duce. Na Alemanha, há a questão do Tratado de Versalhes e a Alemanha é a grande responsável pela guerra, e há a grande proletarização dos trabalhadores, fome e recessão. Hitler tentou tomar o poder em 1923, num golpe fracassado, mas em 1929, há a crise do capitalismo e os problemas econômicos se intensificam ao mesmo tempo em que nos processos democráticos, o partido nazista ainda não tem a expressão esperada. Mais uma vez as tropas do terror, as SS são postas como o braço armado do partido, e espalha o terror. Para os conservadores o nazismo vem como um mal menor que o comunismo, que estava em plena ascensão. Hitler é chamado para ser chanceler. Para  ter o poder sem obstáculos na Alemanha, Hitler manda incendiar o Reichtag (parlamento) e põe a culpa nos comunista. Então, pensemos que há um ambiente propício para embates ideológicos totalitaristas ou de extrema direita ou de extrema esquerda. O de direita passa a ser uma opção mais viável. E tudo porque as democracias liberais serão vistas como frágeis e como modelo incapaz de solucionar os problemas, como evitar uma Guerra ( I guerra), e depois a grande crise do capitalismo,em 1929, assim a doutrina totalitarista acha seu espaço ideal e tendo como princípio principal o nacionalismo, o totalitarismo, e o expansionismo. Além de sua aversão à democracia.  O cenário estava então armado para a ascensão dos extremismos. Se fores por esta ótica, então tens uma justificativa

Obrigado, professora Semíramis, por comentares em meu fórum!

Citaste diversos fatos que contextualizaram muito bem o fascismo nazi alemão. Mas te pergunto, quais são teus critérios? Todos os fatos anteriores contextualizam a Alemanha Nazista? Quais podem ficar de fora?

RSS

Links Patrocinados

Cine História

A Oeste do fim do mundo

Está em cartaz nos cinemas brasileiros a co-produção Brasil-Aregentina, "A Oeste do fim do fo mundo", de Paulo Nascimento.

Sinopse: Leon (César Troncoso) é um homem introspectivo que vive em um velho posto de gasolina, perdido na imensidão da estrada transcontinental entre a Argentina e o Chile. Seu único amigo é Silas (Nelson Diniz), um brasileiro que volta e meia o visita para trazer peças para consertar a moto dele. Um dia, a paz de Leon é abalada com a chegada de Ana (Fernanda Moro), uma mulher que escapou da tentativa de abuso sexual de um caminhoneiro com quem tinha pego carona. Sem ter para onde ir e no meio do deserto, Ana recebe abrigo de Leon inicialmente para apenas um dia. Só que o tempo passa e ela não consegue sair do local.

café história acadêmico

Biografia: confira na íntegra o artigo da historiadora Mary Del Priore: "Biografia: quando o indivíduo encontra a história". Resumo:A biografia, uma das primeiras formas de história – depois das dos deuses e de homens célebres –, retém cada vez mais a atenção dos historiadores. Todavia, a moda da biografia histórica é recente. Com efeito, até a metade do século XX, sem ser de todo abandonada, ela era vista como um gênero avelhantado, convencional e ultrapassado por uma geração devotada a abordagens quantitativas e economicistas.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }