"Chegou a hora de a igualdade passar a foice por todas as cabeças. Portanto, legisladores, vamos colocar o terror na ordem do dia." O que caracterizou a fala de Robespierre ?

* (Discurso de Robespierre na Convenção).

Exibições: 1793

Responder esta

Respostas a este tópico

Caracteriza e retrata a disposição incontrastável de fazer a Revolução, o que exigia, inapelavelmente, passar com o rolo compressor por cima dos seus inimigos ou opositores. Ou se faz a Revolução e se consagra a igualdade e direitos da maioria, ou não se faz, permitindo-se que os integrantes da elite dominante continuem usando a estrutura do Estado em benefício dos seus interesses específicos de classe.
O Período do Terror (1793-1794) corresponde à fase da Revolução Francesa, quando o poder foi exercido pelos montanheses (ou jacobinos, liderados por Robespierre. Nessa fase, a Convenção (assembléia eleita por sufrágio universal masculino) concedeu plenos poderes ao Comitê de Salvação Pública e promulgou leis repressivas extremamente duras.
Pessoal se falar muito que o poder dos Jacobinos foi a fase do terror e saliento que isso é inegável Robespierre e Cia colocou a Navalha Nacional na ordem do dia a partir do momento que a Revolução fosse ou não ameaçada, incluisve os próprios Jacobinos provariam da guillhotina(Danton que o diga e o próprio Robespierre).
Mas gostaria de chama atenção dos colegas que a fase do terror foi também a fase, mas democratica da Revolução Francesa diante da cosntituição Jacobina que reafirmava uma perspectiva de igualdade, liberdade e fraternidade de fato.
A Constituição Jacobina levou ao fim a escravidão nas colônias francesas, controle de preços (Lei do Preço Máximo), Educação para todos e Sufrágio Universal.
Uma contradição diante daquele momento histórico de construir uma sociedade justa, talvez a única solução era proteger tais idéias mesmo partindo para o radicalismo de proteger um projeto Revolucionário de fato contra os inimigos do povo.
Saudações Históricas para todos e todas...
Creio que, inicialmente, assassinar os adversários foi utilizado como meio de proteção. Além disso, não se deve ignorar as ações positivas de Robespierre diante dos direitos populares e em defesa da liberdade. As medidas dos jacobinos, porém, tornaram-se extremas e passou-se a projetar conspirações (basta analisar o caso de Danton). Entretanto, o “Ditador sanguinário” teve o fim que destinou a muitos: a guilhotina.
Todo o regime que cai leva consigo não só a fuga, mas os mortos. O acerto de contas que os vencedores fazem sobre os vencidos. As barbaridades, os excessos e as violências em nome do novo governo. São justificadas pela ação no calor dos confrontos políticos ou armados. Desse modo Robespierre não está em seu discurso querendo a ponderação. Mas o buscar na execução da nobreza a igualdade que não havia num país mergulhado ainda na época em relações feudais. Numa Europa buscando um estado-nação baseado na lei e na burguesia ascendente. Desse modo sempre o terror é visto como o lado não tão belo da revolução francesa. Contudo representa as ações pendulares que figuram em momentos de ruptura com uma classe social. Vai para o extremo e depois para o outro lado buscando assim um equilíbrio dinâmico no devir histórico. O terror - assusta pois os julgamentos eram sumários feitos para as pequenas vinganças da burguesia rural ou urbana. Cheia de ódio e ressentimentos por séculos de opressão da nobreza. O incorruptível, foi vitíma de si mesmo eliminando seu apoio em Danton e outros. Até ficar isolado politicamente e ir para a guilhotina ferido na maxilar sem poder falar. O grande medo sempre foi o radicalismo que a cegueira da nobreza levou. Assim a burguesia assustada resolveu dar cabo ao radical, pois seus lucros estavam em xeque. Depois o que vêm; e o consulado com uma figura que nascia na Córsega eram um medíocre aluno do colégio militar. Mas um brilhante general que evitou que os reinos europeus invadissem a tumultuada França. Viva Napoleão o consenso entre a burguesia e os nacionalistas.
As massas ganhavam importância política e apoiavam os Jacobinos, é proclamada a República, uma nova Constituição, que controlam os Tribunais Revolucionários, iniciam-se os expurgos de adversários políticos, os acusados tinham como pena capital a guilhotina.
O radicalismo e concessões ás massas custaram caro aos Jacobinos, as leis sociais aplicadas provocaram ondas contra-revolucionárias, o terror atinge o auge, alcançando os próprios Jacobinos, nessa altura os êxitos da revolução diminuíram a tensão interna e a população desejava o afrouxamento da revolução.
Os Girondinos que tinham perdido força política se isolam durante os anos de terror, para salvar suas cabeças, voltam à carga, a burguesia volta ao poder.

RSS

café história acadêmico

Lançamento: A 13ª Edição da Revista Ars Histórica está no ar cheia de novidades. Nesta edição, os leitores encontrarão o dossiê "Império Português em Perspectiva: Sociedade, Cultura e Administração (XVI-XIX)" apresentado pelo Prof. Dr. Antonio Carlos Jucá, PPGHIS-UFRJ. Clique aqui para conferir na íntegra.

bibliografia comentada

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. cafehistoria@gmail.com

dicas de dezembro

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }