Absolutismo - quem ou quais instituições auxiliavam os reis nas tomadas de decisão?

O poder emana do rei de maneira absoluta, legitimado por Deus. A fórmula absolutista de poder é bastante conhecida por todos os historiadores. Ela, entretanto, não significa dizer que o Rei não deveria seguir conselheiros, levar em conta uma incipiente "opinião pública" e outras instituições e pessoas antes de tomar decisões.

O que sabemos sobre esse outros poderes ao longo do período absolutista?

Exibições: 1811

Responder esta

Respostas a este tópico

Acho que a questão se resumiria no CLERO,a Igreja em si,seria a mais radical e profunda influencia ao Absolutismo,a religião sempre teve o domínio espiritual e mental das sociedades menos favorecidas e aos demais leigos,aproveitando-se destas condições,o Rei tinha seus conselheiros,mas com certeza os mais influentes tinham ligações com o Clero,pela facilidade da manipulação das massas,mas não podemos esquecer que alguns reis não precisavam de um ministério ,nem conselheiros,nem equipe eclesiástica para satisfazer os seus anseios,Calígula,é um grande exemplo.Acho que sempre dependeria do próprio monarca,ter ou não opinião sobre as decisões tomadas.

Ótima contribuição, Mariane! Valeu!

O Perry Anderson responde à sua questão de forma bem enfática: De fato, o próprio termo absolutismo era uma designação errada. Nenhuma monarquia ocidental jamais gozou de um poder absoluto sobre os seus súditos no sentido de um despotismo sem entraves. Todas elas eram limitadas, mesmo nas mais elevadas das suas prerrogativas, pelo complexo de concepções denominadas de "lei divina" ou lei "natural" [...]

De fato, a monarquia absoluta no ocidente foi, portanto, sempre duplamente limitada: pela persistência de corpos políticos tradicionais colocados abaixo dela e pela presença de uma lei moral situada acima. Por outras palavras, a dominação do absolutismo exerceu-se, no fim das contas, necessariamente nos limites da classe cujos interesses ele preservava. (Classe e Estados: problemas de periodização. In: Espanha, Antonio Manuel. Poder e instituições na Europa do Antigo Regime, p. 129-133)

Oi, Ricardo! Obrigado por contribuir com o fórum!

Você trouxe uma questão bem importante ao debate.

Nunca conheci ABSOLUTISMO MAIOR que o da Revolução Francesa!

Matavam quem eles entendiam! Fica aqui um post do meu blog sobre o TERROR JACOBINO, regime absolutista hipócrita que falava em « DIREITOS HUMANOS» e matavam indiscriminadamente pessoas de todos os níveis sociais, bastava uma suspeita  para  mandarem  qualquer  um  para  a  guilhotina.

Mataram mais eles, os infames jacobinos em 5 anos, do que as  Monarquias absolutas Européias em séculos de existência!

Além da guilhotina, também massacraram populações inteiras, promovendo um verdadeiro genocídio!

Estranho ninguém falar do absolutismo da Revolução Francesa!

http://rainhamartir.blogspot.pt/2014/04/o-horror-injustificado-da-r...

Assim como também é estranho, ninguém falar do ABSOLUTISMO COMUNISTA!

https://www.youtube.com/watch?v=svmAZEywtro

Também ceifou muitos milhões de vida e isso apenas citando a Rússia.

https://www.youtube.com/watch?v=LvpxAIU8U5g

Podem ser ativadas legendas neste vídeo do TERROR JACOBINO, mais cruel e absolutista que qualquer Monarquia absolutista.

Valeu pela colaboração!

Muito interessante este tema em questão, pois o assunto foi abordado pelos tutores e alunos de Historia Moderna II do curso semi presencial de historia do Cederj, ministrado pela Unirio do qual sou aluno cursando o quarto periodo de Licenciatura.

Inclusive abordei o tema A teoria do direito divino dos reis e o iluminismo,enfatizando a tese defendida por Jean Bodin, na qual os monarcas tinham o direito assegurado ao trono, não por meras vontades de seus súditos, mas sim de Deus , o qual delegou ao rei sua autoridade e peder, legitimando desse modo o seu direito ao trono.

Boa noite.

Quem elege e apoia os  reis è o povo.

Deus nao tem nada a ver com isso.

Se tinham o direito ao trono por vontade divina,porque è que agora os reis nao teem essa dita vontade por parte de Deus ?

Os reis nao representam Deus,sejam eles bons governantes ou nao,quem representa Deus è a Igreja e seus sacerdotes,um Rei nao porta sacerdòcio,logo nao pode ser um dos seus representantes,mas se o dito rei for apoiado pelo povo tem o direito a ter inspiracao de Deus para governar esse dito povo.

O mesmo se passa com qualquer governante democraticamente eleito pelo povo;

Com um chefe de famìlia.

Agora automatismos ,isso nao existe a este nìvel.

Cumprimentos

RSS

Boletim Café História

Anúncio

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }