70 Anos da Segunda Guerra Mundial - qual o momento mais decisivo para a vitória dos aliados?

O que você acha?

Exibições: 510

Responder esta

Respostas a este tópico

Não concordo consigo no que se refere à evacuação de Dunquerque. Não podemos esquecer-nos de que estamos no início da guerra e esse evento permitiu a reorgnização dos Aliados em solo britânico (veja, p. f., meu comentário efectuado hoje mais abaixo).
No que se refere à frente leste, desculpe-me também não poder concordar consigo. As baixas nazis na URSS foram tremendas. Mas, depois de Estaline ter efectuado a decapitação do exército soviético, a URSS só sobreviveu devido a dois factores: o general Inverno e a ajuda massiça dos EUA em material (aviões, tanques, etc.). Só mais tarde surgiram "os orgãos de Estaline" e outras armas (tanques) de produção soviética. Hitler não aprendeu com Napoleão. O Inverno Russo é o melhor dos generais.

Diferentess episódios concorreram para a derrota dos países do Eixo na 2ª Guerra Mundial, tanto a letes quanto a oeste da Europa. Concordo, porém, com o fato de que as vitórias - e o consequente avanço das tropas soviéticas para o oeste - ocorridas no front oriental (Stalingrado foi o ponto de inflexão) foram decisivas para acelerar o fim do conflito.

HOLOCAUSTO NUCLEAR = HIROSHIMA E NAGASAKI.

Quem não se recorda da velha imagem vez ou outra reproduzida de uma menina japonesa nua e tantos que corriam desorientados numa expressão de inesquecível dor e desespero em fotos da segunda guerra mundial ? Pois é, quase que o CAFÉ HISTÓRIA ou as respostas esqueceram a trágica lição deixada pela bomba atômica lançada em Hiroshima e Nagasaki e que deixou uma "bárbara" lição de como não se deve lutar , nem sempre os vencedores são honrados em sua tática voraz de consumar a vitória, onde estão os limites da guerra e dos homens ... quem de fato morreu com o lançamento das bombas atômicas em 06 de agosto de 1945 (Hiroshima) e 09 de agosto do mesmo ano (Nagasaki) até hoje - que sem dúvidas - revelam o momento mais decisivo para a vitória dos aliados!
Penso que a imagem a que se refere diz respeito à guerra do Vietname. De qualquer modo, a guerra no Pacífico foi o culminar da II Guerra, embora a nível ocidental, já tivesse havido o aniquilamento das potências do Eixo. Continuo a pensar que as duas bombas atómicas, cujo lançamento muito terá custado ao Presidente Harry Truman, foram necessárias face ao fanatismo das tropas japonesas. Pena é que tenham sido lançadas sobre civis indefesos e não sobre militares armados. Em termos de acções discutíveis da parte dos Aliados, não podemos esquecer-nos do bombardeamento de Dresden. Da parte dos japoneses e dos nazis, lembremo-nos dos prisioneiros de guerra, nos primeiros, e do Holocausto, no caso dos segundos.
Obrigado pela correção ... apesar de ter tido acesso a diversas imagens posteriores aos lançamentos e alguns vídeos ... instantamente era impossível gravar vez que em números 100 mil pessoas foram QUEIMADAS VIVAS... a imagem a qual fiz referência realmente trata-se da Guerra do Vietnam e a menina nua não é japonesa ... aliás, foi boa lembrança para retratar que a falácia da paz que repousa em uma BOMBA NUCLEAR pararia guerras em todo o globo ou intimidaria as Grandes Potências detentoras das referidas explosivas... a guerra do Vietnam citada foi 14 anos depois e terminou só 30 anos após o fim da segunda guerra mundial , e representa em números de mortes de civis um número ainda mais assustador e as técnicas militares utilizadas lá numa espécie de cobaias pós bomba nuclear - que utilizava o horripilante AGENTE LARANJA (e outras armas proibidas) que culmiram em números em aproximadamente três a quatro milhões de vietnamitas dos dois lados morreram, além de outros dois milhões de cambojanos e laocianos, arrastados para a guerra com a propagação do conflito, e de cerca de 50 mil soldados dos Estados Unidos. Outra catástrofe que poderia até ser considerada a TERCEIRA GUERRA MUNDIAL , em virtude do grande número de países que se envolveram direta e indiretamente... inclusive, ESTADOS UNIDOS, CHINA E UNIÃO SOVIÉTICA. Obrigado José Gonçalves pela correção.
Fotos que fizeram história: A menina do Vietnã
Enviado por Rui Nelson em 17 September, 20074 comentáriosCategorias: [ Imagens ]


“Em oito de junho de 1972, um avião norte-americano bombardeou a população de Trang Bang com napalm. Ali se encontrava Kim Phuc e sua família. Com sua roupa em chamas, a menina de nove anos corria em meio ao povo desesperado e no momento, que suas roupas tinham sido consumidas, o fotógrafo Nic Ut registou a famosa imagem. Depois, Nic levou-a para um hospital onde ela permaneceu durante 14 meses sendo submetida a 17 operações de enxerto de pele. Qualquer um que vê essa fotografia, mesmo que menos sensível, poderá ver a profundidade do sofrimento, a desesperança, a dor humana na guerra, especialmente para as crianças. Hoje em dia Pham Thi Kim Phuc está casada, com dois filhos e reside no Canadá onde preside a Fundação Kim Phuc, dedicada a ajudar as crianças vítimas da guerra e é embaixadora da UNESCO.”
É difícil de dizer. Acho que há vários momentos importantes para a vitória dos Aliados. Um deles, possivelmente não o mais mediático mas, para mim, o mais importante, foi a evacuação das tropas inglesas e francesas de Dunquerque. Sem dúvida que a decisão tomada por Hitler de desviar as tropas para outra missão, foi fundamental para dar tempo para a reorganização dos exércitos Aliados. Não podemos esquecer-nos de que a leste a União Soviética ainda não tinha sido invadida (estava a fazer a "partilha" da Polónia, conforme acordado no pacto Germano-soviético) e os americanos somente entraram na guerra mais tarde. Até aí, a guerra ainda não era mundial, infelizmente, era ainda e só europeia (aliás, nós, europeus, sobretudo na primeira metade do século XX e ao longo de muitos séculos, fartamo-nos de fazer asneiras).
Caro Jose Goncalves permita-me dizer que seus conhecimentos sobre a Segunda Guerra Mundial estão COMPLETAMENTE EQUIVOCADOS. Em uma linha deixo bem claro o quanto a retirada de Dunquerque é insignificante. Na retirada de Dunquerque foram salvos cerca de 300.000 soldados aliados ao passo que na URSS foram mortos cerca de 3.000.000 de alemães. Devemos lembrar também que a URSS perdeu cerca de 9.000.000 de militares. Vc acredita que esses 300.000 aliados influenciariam uma guerra titânica como a que foi travada na frente leste? Vc deveria ler o clássico de Antony Beevor, Stalingrado, neste livro, uma obra de arte sobre a Segunda Guerra, o autor inglês deixa bem claro, o quanto a ajuda americana é insignificante. Tanques Shermans tinham uma blindagem frágil, incendiavam-se facilmente, visto que eram movidos à gasolina. As armas portáteis americanas emperravam no inverno. As alemãs travavam, imagina aquelas porcarias feitas nos EUA e Inglaterra.
Agora vc vem com esse papo de general inverno. Isso é conto de historiador norte-americano, da época da guerra fria. O inverno atrapalhou e muito os alemães, mas a determinação de resistir do povo soviético é que os salvou, afinal o cerco de 900 dias de Leningrado foi vencido devido ao inverno? E Stalingrado? Vc tem noção do que foi Stalingrado? O inverno foi o que menos atrapalhou os alemães se vc considerar a resistência soviética. Na URSS as mulheres empunhavam rifles e baterias anti-aéreas para atacar os alemães.
Os soviéticos sabiam de uma coisa: " vitória ou aniquilação" e eram esses os planos de Hitler para os russos.
Recomendo a vc para ampliar seus horizontes:

A defesa de Moscou ( Geoffrey Jukes )
Europa na Guerra ( Norman Davies )
Stalingrado ( Antony Beevor )
Berlim 1945 ( Antony Beevor )
Confronto de Titãs ( David M. Glantz )
Barbarrossa ( John Keegan )
Não pretendo polemizar, muito menos, no comentário que efectuei, coloquei qualquer tipo de tendência ideológica que, humanamente, poderia influenciar a minha visão dos factos. Escolhi a evacuação de Dunquerque porque é um marco psicológico importante. Se, eventualmente, a perda de 300.000 soldados não seria relevante para a continuação da guerra, já a sua recuperação foi, pelo menos, extremamente importante sob o ponto de vista psicológico.
Penso que o Sr. Bruno Leal, que colocou está questão à consideração dos membros, com certeza não por acaso no dia 1 de Setembro de 2009 - os tais 70 anos sobre o início da II Guerra, não possui uma resposta unica, nem pode. As opiniões diversas já espelhadas demonstram essa impossibilidade.
Numa perspectiva histórica, retirando simpatias ou antipatias da questão, o grande erro dos nazis foi terem cobiçado as jazidas de Petróleo da Crimeia e todo o manancial de matérias-primas que a URSS possuía. Ao atacar um gigante sofreu-lheas consequências.
A questão do general Inverno não é assim tão pouco importante. Não tem a ver com historiadores norte americanos nem com guerra fria. Opiniões são opiniões. São discutíveis, mas são para respeitar.
Embora seja pratico nomear um fato ou uma data ou talvez uma batalha,não se ganha uma guerra por apenas um fato ou uma batalha,ganha-se a guerra por uma serie de fatores,os quais aqui não vamos nomear,porem,ganhar uma guerra não é uma casualidade mas sim um conjunto de fatos que coadunam para tal fim.
Para eleger um único momento, eu elegeria o início da Operação Barbarosa.
Até então havia um pacto de não agressão entre Hitler e Stalin. A URSS haviam apoiado a invasão da Polônia. Não se vence uma Guerra abrindo tantas frentes, como os alemães fizeram. Hitler era um idiota completo, nunca escutou seus generais. Fez o que quis contrariando á todos.

Os momentos cruciais e suas frentes:

1º Hitler permitir a retirada dos Ingleses de Dunkerque.
2º Inicio da Operação Barbarosa, sem que tivesse concluído a Operação Leão Marinho.
3º Desistência da Operação Leão Marinho por Hitler.
3º Ataque japonês a Preal Harbor.
4º Vitória americana em Midway.
5º A vitória Russa em Stalingrado.
6º Derrota do Afrikakorps.
7º Desembarque aliado na Itália em 1943.
8º O sucesso da Operação Overlord.
9º O Bombardeio sistemático as fábricas e cidades alemãs feita pelos aliados.
10º A Bomba Atômica
Não só Hitler considerava a idéia de uma guerra contra a URSS. Stálin, dentro do conceito marxista de história, entendia o conflito dentro da ótica de inevitabilidade histórica. Em seu livro 'Fundamentos do leninismo' Stálin delineia as possibilidades de uma futura guerra das potências imperialistas contra a URSS, incluindo a Alemanha como a ponta de lança de um futuro ataque. Em grande parte esse conceito explica o descomunal esforço armamentista da URSS. Ainda dentro desse conceito, a URSS perpretou vários atos de expansionismo político militar, como a invasão da Finlândia, estados bálticos e da Bessarábia, ainda antes de junho de 1941. No entanto parece senso comum considerar que Hitler fosse burro, ou idiota para de estalo resolver encarar uma guerra em duas frentes. Mas nem todos os generais alemães eram contra a invasão da URSS, pelo simples motivo de que havia fortes indícios de que a URSS iria atacar a Alemanha antes...

RSS

Links Patrocinados

Cine História

Violette

Chega aos cinemas brasileiros o drama franco-belga “Violette”, do diretor estreante Martin  Provst.

Sinopse: No início dos anos XX, a escritora Violette Leduc (Emmanuelle Devos) encontra a filósofa Simone de Beauvoir (Sandrine Kiberlain). Nasce entre as duas uma intensa amizade que dura toda a vida, ao passo que Simone encoraja Violette a escrever mais, expondo as suas dúvidas e medos, abordando todos os detalhes da intimidade feminina.

café história acadêmico

Guerra do Paraguai na literatura didática: Confira, na íntegra, a dissertação de mestrado  “A Guerra do Paraguai na Literatura Didática: um estudo comparativo”, do historiador André Mendes Salles (UFP). Clique aqui e leia.

EVENTO EM DESTAQUE

Parceiros


Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

© 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }