Entrevista Café História | Vinicius Mariano do Carvalho (Aarhus)

Estudos Brasileiros na Dinamarca

O Café História entrevistou o Prof. Dr. Vinicius Mariano do Carvalho, coordenador do programa de estudos brasileiros da Universidade de Aarhus, da Dinamarca. O programa existe há vinte anos e acaba de lançar uma revista acadêmica totalmente dedicado ao tema: Brasiliana 

Graduado em letras, mas com uma formação  acadêmica interdisciplinar, o professor Vinícius Mariano conta nesta entrevista exclusiva como surgiu o projeto da revista Brasiliana, além de refletir sobre o tema “estudos brasileiros” e as transformações em relação ao Brasil que ele enxerga no âmbito acadêmico dinamarquês. Além da revista, a Universidade de Aarhus, onde ele atua, oferece ainda um programa de estudos brasileiros que cada vez mais vem atraindo mais e mais alunos, que aprendem não apenas a língua portuguesa, mas também elementos da cultura e da história do Brasil. Confira e comente!

Bruno Leal: Professor, muito obrigado por conversar conosco. Foi com muito interesse e animação que recebemos a notícia do lançamento da “Brasiliana”. Como surgiu a ideia de uma revista de estudos brasileiros em uma universidade dinamarquesa?

Vinicius Mariano: Primeiramente, eu que tenho que agradecer pelo interesse em conhecer mais sobre nosso programa de Estudos Brasileiros na universidade de Aarhus e sobre nossa Revista, a Brasiliana. A revista nasceu de uma demanda não apenas dinamarquesa, mas eu diria que muito maior. Uma demanda por um meio específico para se discutir o Brasil e com o Brasil. Professores, acadêmicos e pesquisadores de uma comunidade que está se tornando maior a cada dia, a dos brasilianistas, normalmente utilizaram fóruns acadêmicos mais amplos, como as revistas sobre América Latina, Mundo Lusófono, Mundo Ibérico,etc., porém poucas são as revistas que se dedicam exclusivamente ao Brasil no ambiente das ciências sociais e humanas. Essa foi a motivação primeira para a criação da Brasiliana. A segunda motivação é de caráter estratégico local. Dentro de um plano de inserir nosso programa de Estudos Brasileiros da Universidade de Aarhrus em um contexto mais internacional e de certa maneira situá-lo mais ativamente no debate sobre e com o Brasil, Brasiliana foi o resultado natural desta estratégia.

Bruno Leal: Recentemente, entrevistamos o historiador Jurandir Malerba, professor de história na PUCRS e que atualmente está em Berlim terminando seu curso na novíssima cátedra Sérgio Buarque de Holanda de Estudos Brasileiros, na Universidade Livre de Berlim. Mais recentemente, foi lançada a "Brasiliana", revista de estudos brasileiros que o senhor coordena na Universidade de Aarhus, Dinamarca. Que o Brasil nos últimos anos veem ganhando destaque internacional em termos políticos e econômicos é razoavelmente (re)conhecido. Mas parece que há também um destaque do Brasil no meio acadêmico. Ao que parece, os pesquisadores e estudantes estrangeiros querem saber mais sobre a cultura e a história de nosso país. O senhor concorda? Se sim, como avalia este momento?

Vinicius Mariano: Sim, podemos dizer que têm havido uma maior busca por estudos sobre o Brasil, e também a presença de pesquisadores brasileiros no exterior tem sido muito importante para mostrar o que se produz de ciência no Brasil. Eu repito o que para mim é muito importante: acho que quando se trata de academia, precisamos sempre pensar de forma dialogal. Uma questão é o aumento da procura por conhecimento sobre o Brasil no exterior, outra coisa é o aumento da inserção do pensamento produzido no Brasil em todo o mundo. Quanto mais conseguirmos equilibrar esta balança, melhor será. Precisamos de estudar o Brasil, mas também com o Brasil. Neste ponto, o intercâmbio de pesquisadores e estudantes é fundamental. Se as condições são mais favoráveis hoje que há dez anos, então aproveitemos estas oportunidades.

Bruno Leal: Criar uma revista acadêmica exige muita dedicação, seja no Brasil ou fora dele. Qual foi o maior desafio que o senhor encontrou na construção e execução deste projeto?

Vinicius Mariano: Primeiramente é preciso dizer que a revista me traz muito mais prazer que trabalho. Acho que é um grande privilégio poder, de certa maneira, provocar algum debate acadêmico e receber tantas respostas em forma de artigos de excelente qualidade, rigor científico e criatividade analítica. Além disso, a possibilidade de, virtualmente, estar envolvido nosurgmiento de uma comunidade de leitores, autores, editores é imprescidível no desenvolvimento do pensamento humanístico. Estas alegrias fazem com que qualquer desafio se torne pequeno e superável.É claro que, sendo um projeto que começa a dar seus passos agora, há muitos acertos a serem feitos. A Revista não conta com patrocínio e é de fato a colaboração que a faz mover-se. Penso que muitos colegas que estão colaborando com a realização deste projeto também podem ver o potencial da Revista e investem seu tempo e dedicação para que logremos fazer da revista um canal sério e que dê frutos.

Bruno Leal: Professor, no editorial de estreia da “Brasiliana”, o senhor sublinha que as universidades estrangeiras passaram a usar mais o termo “Brazilian Studies” do que o tradicional (e genérico) “Latin American Studies” para se referir ao campo de pesquisas acadêmicas sobre Brasil. E, neste sentido, diz que a “Brasiliana” tenta já neste primeiro número definir o que significa esta categoria: “Brazilian Studies”. Como o senhor definiria os “Brazilian Studies”?

Vinicius Mariano: Academicamente venho defendendo a idéia de que, ainda que prático e necessário em algum momento, é preciso cuidado com a generalização do termo América Latina. Quais são os critérios para esta categorização? Linguísticos? Coloniais? Ademais, o que se vê normalmente é uma associação entre os termos América Latina e América de língua espanhola. Obviamente que há um número bastante consideravel de países no continente americano que falam espanhol, porém parece-me que esta associação é um pouco confusa. Neste sentido, venho defendendo que é preciso diferenciar Estudos Brasileiros de Estudos Latinoamericanos. A grande maioria dos departamentos nas universidades que oferecem algo sobre Brasil, incluem o estudo do país no quadro dos estudos latinoamericanos. Outra vez, compreendo que é necessário pensar de maneira prática e seria de certa forma inviável que universidades criassem um departamento de estudos brasileiros, um de estudos cubanos, um de estudos mexicanos, um de estudos nicaragueneses, etc. Mas observo, e não apenas eu, mas muitos outros brasilianistas e latinoamericanistas, que os estudos brasileiros vêm ganhando certa projeção e, mesmo ainda dentro de departamentos de estudos latino americanos ou hispano americanos, solidifica-se mais e mais como uma área de estudos. Não arrisco a levantar hipóteses sobre as razões para esta projeção, mas creio que é nossa tarefa como acadêmicos estarmos abertos e atentos para discutir uma possível ontologia e epistemologia dos estudos brasileiros. Você me pergunta como eu definiria estudos brasileiros. Deixarei sua pergunta sem uma resposta final, uma vez que é exatamente este debate que pretendemos que a Brasiliana venha articular e trazer. O que eu diria é que, a meus olhos, estes “estudos brasileiros” não devem pensar o Brasil apenas como um objeto, mas também como um sujeito da reflexão social e humanística, uma reflexão sobre si mesmo e sobre o mundo.

Bruno Leal: O corpo editorial da revista é bastante internacional. Há professores do Brasil, da Dinamarca, da Inglaterra e dos Estados Unidos. Isso reforça o perfil interdisciplinar da publicação? E, mais, como tem sido o feedback deste trabalho?

Vinicius Mariano: Como eu disse acima, a idéia é que Brasiliana se torne um fórum internacional para debater sobre e com o Brasil. Acredito que apenas uma pluralidade de vozes, interepretações e análises poderão de fato contribuir para a construção de um pensar amplo em torno do Brasil. Isso porque, em nosso ponto de vista, o Brasil também é plural, seja em suas potencialidades e em seus problemas, o que nos obriga a também pensar de maneira plural. As respostas têm sido muito positivas. Somos surpreendidos com a visibilidade que a revista alcançou em pouco tempo de existência. Obviamente há críticas acerca do caráter amplo de abrangência da revista, porém esta é a perspectiva que lançamos e que insistiremos em seguir.

Bruno Leal: Como os pesquisadores brasileiros podem colaborar com a revista? Ela aceita trabalhos em fluxos contínuos? Quem pode enviar artigos ou resenhas?

Vinicius Mariano: A revista têm 4 sessões. A primeira, chamada dossiê, é uma sessão mais temática, para a qual lançamos duas chamadas para artigos anualmente. Os temas para esta sessão são definidos pelo Conselho Editorial e estamos neste principio privilegiando uma discussão em torno do significado do conceito Estudos Brasileiros. Posteriormente estes temas ampliar-se-ão a tópicos emergentes no debate acadêmico e social do e sobre o Brasil. As demais sessões, Geral, Resenhas e “Varia”, têm um fluxo contínuo de recepção de textos. Na sessão Geral recebemos textos que discutam academicamente temas relevantes sobre o Brasil nos campos das Ciências Sociais e Humanas. O espaço é amplo e não excludente, conquanto o texto reflita sobre e com o Brasil. Resenhas de publicações, exposições, concertos ou performances recentes sobre o Brasil ou com artistas brasileiros são sempre bem vindas. A sessão “Varia” é mais livre, traz entrevistas relevantes que podem provocar outros textos e debates, reportagens ou ensaios que não passam pelo processo de “peer review”. Para esta sessão preferimos falar em “aceitamos sugestões” do que “recebemos artigos”, já que neste caso os Editores têm uma agenda a seguir.Todo pesquisador que queira submeter um artigo científico que reflita algum aspecto do Brasil, nas áreas das ciências sociais e humanas, encontrará Brasiliana de portas abertas. A revista publica em português, inlgês, espanhol e dinamarquês.

Bruno Leal: Professor, o senhor pode nos falar um pouco sobre a sua trajetória acadêmica e objetos de pesquisa? Como começou a sua relação com a Dinamarca?

Vinicius Mariano: Minha trajetória acadêmica também é plural, dentro das ciências humanas. Venho das letras, da filosofia, da literatura, da música, da teologia; gosto da história, da antropologia, da sociologia, da política, da geografia, da linguística. Enfim, das humanidades. Passei, tanto como estudante quanto professor, por universidades no Brasil e na Alemanha antes de vir para a Dinamarca, onde cheguei quase casualmente em 2008, no programa de Leitorado do MRE-CAPES, vindo depois a tornar-me professor de Estudos Brasileiros da própria universidade de Aarhus.

Bruno Leal: A revista é apenas uma de suas ocupações na Universidade de Aarhus. O senhor também está à frente do Programa de Estudos Brasileiros desta universidade. Como funciona esse programa? Ele funciona há muito tempo? Que cursos e que formação oferece atualmente?

Vinicius Mariano: Sim, atualmente coordeno os Estudos Brasileiros na Universidade de Aarhus. Este programa, que já tem quase 20 anos, vem passando por reformulações com o objetivo de fazê-lo mais dinâmico e capaz de dar respostas à demandas contemporâneas, bem como formar profissionais que sejam mediadores entre o Brasil e a Dinamarca. A principio o programa teve um caráter mais filológico, com muita ênfase no aprendizado da língua portuguesa na sua variante brasileira, porém, como eu disse, estamos já há alguns anos promovendo modificações no programa, de modo dar um conhecimento mais abrangente sobre o Brasil. Temos um programa de Bacharelado e de Mestrado em Estudos Brasileiros e também temos estudantes de Doutorado em nosso programa. Aqui o aluno aprende a língua portuguesa, obviamente, e também literatura, cultura e história do Brasil, além de ter cursos sobre cultura organizacional, estudos de problemas brasileiros, etc.Oferecemos também com frequencia mensal uma série de palestras chamadas “Lectures on Brazilian Studies”, nas quais buscamos trazer pesquisadores brasileiros ou de outras partes do mundo para apresentarem suas pesquisas sobre o Brasil. Uma vez por ano temos um grande evento chamado “Brazilian Days”, normalmente na última semana de setembro, quando tratamos de um tema específico da cultura brasileira com palestras, concertos, exibições de filmes, workshops, etc. Durante o “Brazilian Days” também realizamos reuniões internas buscando aprimorar as relações e colaborações com universidades brasileiras. Nossos alunos, em sua maioria esmagadora, passam um semestre de seus estudos em alguma de nossa universidades parceiras no Brasil, para que conheçam mais da realidade brasileira e convivam com estudantes brasileiros. Realizamos excursões de estudos ao Brasil e buscamos provomer a difusão da cultura do Brasil dentro da universidade em geral. É bastante trabalho!

Bruno Leal: Que estudantes procuram este programa de estudos brasileiros? O que motiva tais alunos a se interessarem pelo Brasil? Que nível de conhecimento do país eles geralmente possuem ao entrar e, mais tarde, ao sair do curso?

Vinicius Mariano: Nosso público é bastante variado no que diz respeito à suas motivações. Tenho alunos que vieram para o curso porque gostam do futebol do Brasil, outros por causa da música, outros porque gostariam de saber como negociar com o Brasil, outros porque são apaixonados por um ou por uma brasileira! Enfim, as motivações são diversas, o que se torna um grande desafio para nós. Buscamos satisfazer-lhes em suas aspirações, mas dar-lhes também uma perspectiva mais abrangente sobre o país e motivá-los para que busquem, por eles mesmos, maneiras de inserirem-se na cultura brasileira. Nos últimos 4 anos o crescimento pela procura do curso foi vertiginoso. Saimos de 9 estudantes para 51 em nível de bacharelado. Comemorarmos isso, mas também sentimos a responsabilidade em dar-lhes uma formação apropriada e motivadora.

Bruno Leal: Professor, muito obrigado por esta excelente conversa. Foi um prazer para administração do Café História abordar um projeto tão estimulante. Fique à vontade para passar qualquer recado aos quase 50 mil participantes de nossa rede.

Vinicius Mariano: Mais uma vez, eu que agradeço a oportunidade e interesse. Parabenizo a todos que participam deste web site, promovendo um diálogo necessário e frutífero e espero que os leitores se sintam motivados a participar da Brasiliana, seja como autores ou leitores, e nos ajudem a construir estes estudos brasileiros.

Confira fotos de algumas atividades do programa de estudos brasileiros da Universidade de Aarhus:

Foto 1: Palesta e Concerto de Música Brasileira

Foto 2: Visita do Professor Daniel Everett ao Centro

Foto 3: Workshop sobre Capoeira

Entrevista realizada em 31 de janeiro de 2013

Entrevista publicada em 5 de fevereiro de 2013


Vinícius Mariano de Carvalho: possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Juiz de Fora (1997), mestrado em Ciência da Religião pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2001) e doutorado em Romanische Literaturwissenschaft Spanisch - Universität Passau (2006). Já atuou como Professor de Filologia e Latim e tem experiência na área de Letras, com ênfase em Estudos Culturais, Literatura e Cultura Brasileiras. No período de 2001 a 2007, foi professor visitante na Universidade de Passau (Alemanha), e atualmente é Leitor de Estudos Brasileiros na Universidade de Aarhus (Dinamarca), além de compor o editorial da publicação.


contador de acesso

Comentar

Você precisa ser um membro de Cafe Historia para adicionar comentários!

Entrar em Cafe Historia

Comentário de CASSIA SILVA FERNANDES em 23 outubro 2013 às 16:41
Muito legal. Parabéns pela iniciativa.
Comentário de Maria José em 28 abril 2013 às 14:17

Parabéns ao Prof. Dr. Vinicius Mariano,por disseminar a cultura brasileira na Dinamarca.

Comentário de marcos gomes em 26 abril 2013 às 23:13

  Realmente o Brasil precisa de pessoas com idéias amplas para colocar o Brasil no lugar que ele merece.

Comentário de Márlon Batista da Silva em 10 abril 2013 às 12:35

Muito bom! Gostei demais da entrevista

Comentário de Emannuel Reichert em 12 fevereiro 2013 às 17:27

Excelente entrevista. Agora, onde estão os brasileiros que estudam a Dinamarca?

Comentário de Herminia Cunha em 8 fevereiro 2013 às 19:30

Muito interessante, como ter acesso a revista?

Comentário de Rodrigo Pezzonia em 6 fevereiro 2013 às 5:57

Brasiliana - Journal for Brazilian Studies http://ojs.statsbiblioteket.dk/index.php/bras

Comentário de Denise Lima de Oliveira em 5 fevereiro 2013 às 19:05

Muito bom mesmo essa entrevista parabéns Café História por nos manter informados, gostaria de saber como podemos ter acesso a essa Revista.

abraços

Comentário de Semíramis libonati em 5 fevereiro 2013 às 10:44

Que entrevista gostosa! Parabéns ao Café História pela iniciativa e ao Prof. Dr. Vinícios Carvalho pela proposta da Revista Brasiliana. Estudar o Brasil em sua pluralidade e especificidades de maneira interdisciplinar, estudar o Brasil e com o Brasil inseridos nesta proposta tão desafiadora, é um exemplo para todos nós, brasileiros! Obrigada.

café história acadêmico

Lançamento: A 13ª Edição da Revista Ars Histórica está no ar cheia de novidades. Nesta edição, os leitores encontrarão o dossiê "Império Português em Perspectiva: Sociedade, Cultura e Administração (XVI-XIX)" apresentado pelo Prof. Dr. Antonio Carlos Jucá, PPGHIS-UFRJ. Clique aqui para conferir na íntegra.

bibliografia comentada

Política de Privacidade

Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

Atenção!

O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. cafehistoria@gmail.com

dicas de dezembro

© 2017   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }