LINKS PATROCINADOS

dicas de setembro

bibliografia comentada

Bibliografia comentada

O historiador Braz Batista Vas, especialista em Guerra do Paraguai, a convite do Café História, preparou uma bibliografia comentada para aqueles que desejam compreender melhor a maior guerra realizada no continente sul-americano.

Membros

CURTA O CAFÉ NO face

Vídeos

  • Adicionar um vídeo
  • Exibir todos

curta o café no face

Parceria: NIEJ-UFRJ

Fale Conosco

Encontrou alguma mensagem racista, preconceituosa ou ofensiva no Café História? Entre em contato conosco. Teremos o prazer em ajuda-lo(a):

Nosso email: cafehistoria@gmail.com

 

mural do historiador

Revista História Orial

A Revista História Oral está recebendo contribuições para o dossiê “Ética e Política” até 15 de outubro de 2014. Os desafios da transição democrática no Brasil, entre eles as investigações da Comissão Nacional da Verdade, de comissões estaduais e universitárias, entre outras, têm intensificado o debate sobre ética e política, ao trazer à esfera pública testemunhos do passado recente. Considerando o lugar central da discussão sobre testemunho e memória no campo da História Oral e as implicações éticas do trabalho com fontes orais, este dossiê convida pesquisadores das Ciências Humanas e Sociais a submeterem trabalhos que permitam avançar a discussão sobre testemunho, ética e política, a partir de investigações e reflexões surgidas na lida com fontes orais. Mais informações, aqui


Beatles

O ensaio “Os Beatles são um pouco de tudo para todas as pessoas”, de Alexandre Eulalio, faz parte da Revista serrote #17 e está disponível na íntegra no site da revista. Clique aqui para conferir. O autor, um dos grandes nomes do ensaísmo brasileiro por sua diversidade de interesses, sua sofisticação de abordagem e estilo refinado, diz que "em sua atmosfera absurda, no seu enfrentar corajoso do bom senso e do ridículo, há na banda uma inegável passagem do cabotinismo ao lirismo." A serrote pode ser adquirida na loja do IMS. Imagem: detalhe de “The continuing story of Bungalow Bill”, de Seymour Chwast.

Entrevista

Regime Militar Brasileiro: uma história de muitas batalhas

Em entrevista exclusiva ao Café História, o historiador Marcos Napolitano, professor da Universidade de São Paulo (USP), fala sobre o seu novo livro, 1964 – História do Regime Militar Brasileiro, dos cinquenta anos do golpe civil-militar, dos trabalhos historiográficos que gostou recentemente e muito mais. 

De acordo com Marcos Napolitano, “o golpe militar de 1964 foi uma das batalhas da Guerra Fria na América Latina”. Mas o evento não se resume a isso, alerta o historiador: “o golpe e o regime também geraram um modelo de ação política contra governos reformistas e de um regime que iam além das clássicas ditaduras latino-americanas.” Em entrevista ao Café Historia, o professor da Universidade de São Paulo discute essa e várias outras batalhas que fizeram parte da historia do regime militar brasileiro, das batalhas contra os movimentos artísticos e culturais ao reformismo de Jango. No ano em que o golpe civil-militar de 1964 completa cinquenta anos, tivemos o prazer de conversar sobre o assunto com mais um importante pesquisador da área. Confira como foi esse papo e deixe seus comentários! Clique aqui para ler.

Bate-papo

Conversas ativas

Desconectado (2 online)

    Desconectado

    Você está desconectado do bate-papo. Conecte-se para entrar no bate-papo.

    Suspenso do bate-papo

    Neste momento, há várias pessoas conversando sobre história. Para entrar na conversa, você precisa ser membro da rede.

    Faça aqui o seu cadastro!

    café expresso notícias

    Descoberta de tumba misteriosa anima gregos em meio à crise econômica

    Ex-oficiais participaram de audiência pública da Comissão da Verdade. Militares relataram ameaças de morte, tortura psicológica e perseguições.

    O mistério sobre quem está enterrado em uma enorme tumba dos tempos de Alexandre, o Grande, descoberta no início de agosto na Grécia entusiasmou os gregos e trouxe esperanças de melhora no cenário de crise econômica que o país enfrenta.

    O túmulo, o maior já encontrado no país, fica em Anfípolis. A expectativa de que alguém da família de Alexandre - ou, para habitantes do local, até mesmo o próprio - possa estar enterrado nele trouxe turistas e valorizou terrenos nas cidades de Anfípoli e Mesolakkia. "Podemos ter ganhado na loteria", diz o prefeito de Mesolakkia.

    Arqueólogos acreditam que alguém ligado a Alexandre, o Grande está enterrado na tumba

    Os moradores afirmam que já foram procurados com ofertas para vender suas terras. A maioria precisa do dinheiro, mas está esperando até que os arqueólogos que encontraram a tumba façam o anúncio final sobre a identidade de seu dono. "Antes da descoberta, a terra não valia quase nada. Mas agora ninguém quer vender", diz o morador Menia Kyriakou.

    A descoberta também deu início a uma onda de orgulho e patriotismo. O ministro da cultura, Konstantinos Tasoulas, disse que a descoberta é um lembrete de que a Grécia é o "berço de uma civilização insuperável e um país que merece, com este capital (cultural) único e suas realizações atuais, reivindicar o seu retorno ao progresso e prosperidade".

    Descoberta

    A tumba foi descoberta após dois anos de trabalho comandado pela arqueóloga Katerina Peristeri. O monte onde está localizada fica na antiga Anfípolis, uma grande cidade do reino da Macedônia, a 100 km a leste de Thessaloniki, a segunda maior cidade da Grécia.

    A estrutura remonta ao final do século 4 AC e o muro ao redor dele tem 500m de circunferência, superando o local do enterro do pai de Alexandre, Filipe 2º, em Vergina, a oeste de Salônica. "Essa é uma tumba de dimensões únicas e impressionante maestria artística. Os mais belos segredos estão escondidos logo abaixo de nossos pés", disse à BBC o ministro da Cultura, Tasoulas.

    Dentro da tumba, os arqueólogos descobriram duas cariátides (figuras femininas que funcionam como pilastras). Cada uma foi esculpida com um braço estendido, provavelmente para desencorajar intrusos a adentrar na câmara principal do túmulo. Os equivalentes modernos das cariátides ficam em um carro da polícia, a cerca de 200m da entrada do túmulo -o sítio arqueológico é protegido 24 horas por dia por dois policiais.

    Clique aqui para continuar lendo.

    Fonte: BBC


    Outras notícias

    'Sofri tortura psicológica', recorda capitão sobre ditadura militar no RS

    Pesquisadores encontram face oculta de Stonehenge enterrada a quatro metros do solo

    Cento e cinquenta anos depois, historiografia sobre Guerra do Paraguai ainda tem conflito de versões

    Legado de Vargas persiste 60 anos após suicídio, aponta historiador

    Exposição sobre Janusz Korczak

    Artigo: guerra do paraguai

    Uma estranha efeméride

    Por Vitor Izecksohn

    A comemoração dos cento e cinquenta anos do início da Guerra do Paraguai passou praticamente em branco. Espremida entre os sessenta anos do golpe militar e o centenário do início da Primeira Guerra Mundial, sobrou pouco espaço para a discussão do último grande conflito platino. Apenas um evento na Escola de Comando e Estado Maior do Exército e uma série na TV Escola intitulada “A Última Guerra no Prata” destacaram-se num cenário pouco alvissareiro para aqueles que pesquisam e publicam sobre o tema.

    A relação dos historiadores profissionais com questões militares é relativamente recente e ainda pouco influente em termos das agendas de pesquisa, dos editais de bolsas e auxílios e da promoção de eventos de grande porte. E, no entanto, se trata de um dos campos de pesquisa acadêmica que mais cresceu nos programas de pós-graduação nas últimas duas décadas, com a multiplicação de dissertações e teses, além do surgimento de cursos específicos. Uma possível razão para essa disparidade pode ser creditada ao papel reduzido das guerras internacionais para o processo de construção do Estado nacional no Brasil. Com a exceção das participações nas duas guerras mundiais, conflitos distantes que chegaram até nós principalmente através de submarinos e formação de um contingente reduzido, o impacto das guerras foi relativamente pequeno nas instituições e na sociedade. Durante o século XIX, uma guerra com as Províncias Unidas do Prata e uma intervenção mais contundente contra Rosas e Oribe adicionaram pouco ao poder despótico do Estado. Essa circunstância não diminui o papel das forças armadas como atores de ponta na história política do século XX. O que submerge é a ideia da mobilização como uma ferramenta de expansão da cidadania e da expansão do poder público. Continue lendo aqui

     
     
     

    Links Patrocinados

    Cine História

    Cuba Libre

    Está em cartaz nos cinemas brasileiros o filme “Cuba Libre”, de Evaldo Mozarzel.

    Sinopse: Phedra de Córdoba é uma atriz transexual, nascida em Cuba, mas exilada no Brasil há mais de cinco décadas. As razões de sua partida foram a incompatibilidade com o regime de Fidel Castro e a profunda transfobia vigente na ilha. Décadas depois, Phedra retorna a Cuba para descobrir as transformações do país, na época em que a filha de Fidel, Mariela, luta por uma maior aceitação de gays, lésbicas, transexuais e transgêneros.

    café história acadêmico

    Biografia: confira na íntegra o artigo da historiadora Mary Del Priore: "Biografia: quando o indivíduo encontra a história". Resumo:A biografia, uma das primeiras formas de história – depois das dos deuses e de homens célebres –, retém cada vez mais a atenção dos historiadores. Todavia, a moda da biografia histórica é recente. Com efeito, até a metade do século XX, sem ser de todo abandonada, ela era vista como um gênero avelhantado, convencional e ultrapassado por uma geração devotada a abordagens quantitativas e economicistas.

    EVENTO EM DESTAQUE

    Parceiros


    Fotos

    Carregando...
    • Adicionar fotos
    • Exibir todos

    Política de Privacidade

    Para ler nossa "Política de Privacidade", clique aqui.

    Atenção!

    O Café História respeita a opinião de todos nos mais diversos espaços da rede. Reserva-se, no entanto, o direito de suspender textos de teor ofensivo, agressivo ou que sustente preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com o bom senso e as leis brasileiras. Da mesma forma, o Café História poderá suspender membros que publiquem este tipo de conteúdo. Se identificar algum conteúdo ofensivo ou comportamentos inadequados, por favor notifique-nos: cafehistoria@gmail.com

    © 2014   Criado por Bruno Leal.   Ativado por

    Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço

    body, .xg_reset .xg_module_body { line-height: 1.3; }